#10 principais fenômenos das redes sociais em 2021

As redes sociais se tornaram onipresentes na vida de todos nós. Assim, com a proximidade do fim do ano, cabe lembrar os principais acontecimentos que mobilizaram os usuários em todo o mundo. Recursos que se tornaram indispensáveis em nosso dia a dia, polêmicas e ondas passageiras foram alguns dos acontecimentos que marcaram o ano.

1. Mudanças nas políticas de privacidade do WhatsApp

O anúncio de uma atualização na Política de Privacidade do WhatsApp gerou polêmica e inquietou os usuários da plataforma. De acordo com a nova regra, os usuários teriam de permitir o compartilhamento de dados, como número do telefone, marca, modelo, número de IP do dispositivo e operador de telefonia, com as empresas parceiras do Facebook. Após órgãos reguladores de vários países, incluindo do Brasil, pressionarem a empresa, o Facebook voltou atrás e retirou as restrições.

2. Ascensão e queda do Clubhouse

Um novo aplicativo no qual só podiam entrar convidados, rapidamente, se popularizou, o Clubhouse. Após um elogio público do bilionário Elon Musk, o app de chat por áudio virou a sensação. Vários famosos passaram a usar a rede que chegou a ser avaliada em US$ 1 bilhão. Não demorou para que outros apps copiassem as funcionalidades e quase tão rápido quanto surgiu, a rede foi perdendo interesse e abandonada pelos usuários.

3. Acelerador de áudios no WhatsApp

Um recurso do WhatsApp foi outra sensação do ano: o acelerador de velocidade de áudios. O app passou a permitir que as mensagens de voz ficassem 1,5 vez ou 2 vezes mais rápidas que a original. Um facilitador na hora de ouvir mensagens de voz, muitas vezes, longas demais para alguns.

4. Verificação de perfil no Twitter

Os usuários do Twitterpassaram a contar com a verificação do perfil, para evitar criação de páginas falsas. As novas regras visavam facilitar a oficialização dos perfis de seus usuários, e poderiam ser feitas dentro do próprio aplicativo.

Anteriormente, o processo de verificação havia sido suspenso em 2017, após um problema com um usuário norte-americano. Mesmo depois da retomada, os pedidos ainda passaram por instabilidade, sendo suspensos novamente apenas uma semana depois da liberação e voltaram a ser aceitos meses depois.

5. Opções pagas para usar o Twitter

Também o Twitter deu um passo à frente dos concorrentes ao lançar serviços pagos para seus usuários. O Twitter Blue passou a oferecer recursos como a criação de pastas de favoritos para organizar o conteúdo salvo e o Desfazer Tweet, que dá aos usuários a possibilidade de apagar o tweet, em até 30 segundos. A plataforma criou também o Ticketed Spaces, salas de áudio ao vivo, que permitem ao anfitrião cobrar ingresso de outros usuários.

6. Prioridade de vídeos no Instagram

No segundo semestre, o Instagram anunciou que passaria a priorizar o conteúdo em vídeo, mudando a forma como o conteúdo era apresentado tanto na aba Reels (que teve o tempo de duração dos conteúdos ampliados para um minuto) quanto na junção dos vídeos de até 60 segundos e IGTV em uma mesma aba.

 7. O fim dos Fleets do Twitter

Seguindo a tendência de outros aplicativos, o Twitter adicionou em sua plataforma o recurso Fleets, similar aos Stories, do Instagram. A ferramenta não despertou interesse dos usuários e pouco tempo depois foi descontinuada. A remoção do recurso foi comemorada e fez com que o termo Fleets e a hashtag Fleets Day ficassem entre os assuntos mais comentados do Twitter.

8. Pagamentos pelo WhatsApp

Outro recurso que marcou o ano foi a possibilidade de pagamentos dentro do WhatsApp. Os usuários passaram a transferir dinheiro entre pessoas físicas.

9. 1 bilhão de usuários no Tik Tok

Em 2021, o aplicativo chinês bateu a marca de 1 bilhão de usuários no mundo. A notícia, compartilhada pela empresa com um vídeo de agradecimento, colocou o aplicativo no quarto lugar das redes com maior número de usuários no globo.

10. Apagão do Facebook, Instagram e WhatsApp

Por último, mas não menos importante, o apagão das redes sociais pertencentes à empresa Meta (antigo Facebook). Durante cerca de seis horas, Facebook, Instagram e WhatsApp ficaram fora do ar. A queda afetou mais de 300 mil usuários.