A ficção científica presente no dia a dia

Além da exploração da órbita terrestre, da Lua e de Marte, as missões espaciais desenvolvem tecnologias que posteriormente chegam até nós em produtos e recursos que usamos e tornam a vida mais confortável e segura. A necessidade de criar condições para garantir a sobrevivência humana num ambiente sem gravidade, sem eletricidade e sem oxigênio exigem soluções complexas e uma infinidade de testes.

Uma nova tecnologia desenvolvida dentro do projeto Artemis, cuja primeira fase prevê levar a primeira mulher à Lua em 2024 (missão Artemis III), já vem sendo empregada para melhorar o desempenho e a precisão de veículos autônomos e em drones, no deslocamento em terra ou no ar e no pouso.

Chamada LiDAR, sigla para Light Detection and Ranging, ou tecnologia de detecção e alcance de luz, ela é baseada na determinação de distâncias entre o sensor e a superfície por um pulso de laser.

Similar a um radar, ela usa ondas de luz, em lugar de ondas de rádio, para detectar objetos na superfície e calcular a distância em que estão. Desenvolvida para garantir a aterrissagem segura e precisa, ela é uma combinação de tecnologias, sensores a laser, câmera, computador de alta velocidade e algoritmos sofisticados, que varre a superfície, identificando obstáculos e automaticamente ajusta a rota para o pouso em lugar mais seguro.

Essa tecnologia já está sendo empregadas em drones e em carros com sistema de direção autônoma, identificando objetos ou pessoas no caminho e evitando colisões. No futuro, deve ser responsável também por avanços na cirurgia robótica.

Tênis e cobertores vindos do espaço

“Para muitos de nós, as missões espaciais parecem filmes de ficção científica, uma realidade ainda muito distante, e não costumamos relacioná-las aos produtos e recursos que usamos e aos benefícios que já proporcionaram na medicina, no transporte e na segurança”, pondera Arie Halpern, especialista em tecnologias disruptivas. Uma publicação anual da Nasa, a agência espacial americana, lista as tecnologias desenvolvidas em seus programas espaciais que deram origem a produtos comerciais.

Se as tecnologias desenvolvidas originalmente para exploração espacial parecem distantes do dia a dia, já que a maioria de nós ainda não pilota drones, nem carros autônomos, convém saber que muitas delas deram origem a produtos que usamos diariamente. Entre eles estão, por exemplo, os tênis com amortecimento, a espuma com memória, usada em colchões e travesseiros ortopédicos, equipamentos para exercícios físicos usados em academias, lentes resistentes a arranhões usados em óculos de grau e de sol, cobertores térmicos, usados em situações de emergência, e até os braquetes transparentes usados em aparelhos ortodônticos, entre outros.