Abastecer com o carro andando

A baixa autonomia dos carros elétricos e o tempo necessário para recarregar a bateria são um dos principais limitadores para a expansão da frota. Especialistas em diferentes países se dedicam a encontrar uma solução viável. Uma empresa israelense, a ElectReon, desenvolveu uma tecnologia que é literalmente como trocar o pneu com o carro andando. Ou, nesse caso, abastecer com o carro andando.

A empresa foi selecionada pelo governo da Suécia para construir um trecho experimental de rodovia com a tecnologia de carregamento. O projeto prevê a construção de 1,6 quilômetro numa rodovia ligando o aeroporto de Visby ao centro da cidade, na ilha de Gotland. Será a primeira no mundo a recarregar tanto ônibus quanto caminhões elétricos em movimento. A tecnologia, que possibilita usar baterias menores, usa um sistema de carregamento sem fio por meio de infraestrutura instalada sob a pista.

Em fevereiro, a ElectReon fez um acordo para construção de um trecho piloto em Tel Aviv. Com extensão de um quilômetro dotado com a tecnologia, servirá para avaliar a viabilidade econômica de usá-la num novo sistema de ônibus.

Esse não será o primeiro trecho de “rodovia elétrica” na Suécia. Em 2016, o governo sueco inaugurou um trecho de dois quilômetros ao norte de Estocolmo. Desenvolvido pela Siemens, o projeto eHighway usa uma rede elétrica aérea, similar à de alguns sistemas de trens. O sistema funciona com veículos híbridos que possuem um pantógrafo acionado automaticamente quando chega ao trecho dotado de rede de eletricidade. Mas, diferentemente dos trens (ou tróleibus), os caminhões podem se desconectar da rede se for necessário mudar de pista, voltando a usar o combustível normal: diesel.

A Siemens construiu também um trecho piloto da eHighway  com três quilômetros na Califórnia e há  poucos dias, a Alemanha anunciou a construção de um trecho de cinco quilômetros perto de Frankfurt. A Suécia é um dos poucos países que parece estar avançando para atingir o objetivo de usar somente energia limpa em seu sistema de transporte até 2030.