Algas israelenses podem ser solução energética

Cientistas israelenses aumentam capacidade de geração de hidrogênio de microalgas (Imagem de divulgação)

Cientistas israelenses aumentam capacidade de geração de hidrogênio de microalgas (Imagem de divulgação)

Pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, em Israel, conseguiram transformar o lodo de um lago em um agente de combustível limpo. Liderada pelo dr. Iftach Yacoby, a equipe de cientistas alterou geneticamente uma alga unicelular que emite hidrogênio durante o dia. Com as modificações, o organismo é cinco vezes mais eficiente em sua multiplicação, gerando mais hidrogênio.

Segundo o jornal The Jerusalem Post, células de combustível de hidrogênio já são utilizadas em veículos. A diferença é que essa descoberta coloca as algas no cenário de energia sustentável. Com a pesquisa, a equipe israelense invalidou a teoria de que microalgas só produzem hidrogênio durante algumas horas do dia. Os estudos mostraram que não apenas as algas produzem hidrogênio ao longo do dia, mas também que a engenharia genética permite aumentar a produtividade dos organismos.

“O hidrogênio é uma fonte de energia muito vantajosa”, afirma Yacoby ao jornal israelense. “Primeiramente, tem uma enorme quantidade de energia. A extensão de percurso de um carro movido a hidrogênio é de mais de 500 quilômetros por 5 quilos de hidrogênio; de uma bicicleta elétrica, mais de 100 quilômetros a cada 30 gramas do combustível. Em segundo lugar, o hidrogênio não é de forma alguma poluente. O processo de uso das células de combustível elétrico produz somente vapor de água e o escape emitido por um carro movido a hidrogênio contém apenas água limpa, que pode até mesmo ser potável”.

Alguns carros movidos a hidrogênio foram recém-lançados no mercado, como o Mirai, fabricado pela Toyota e Hyundai em 2015. Bicicletas elétricas também estão sendo convertidas para utilizar essa fonte de energia. Países como o Japão, a Escandinávia e a Alemanha têm investido na construção de postos de combustível que usam o gás hidrogênio.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *