Arie Halpern: a conquista do universo e o dia a dia aqui na Terra

SpaceShipTwo realiza testes para voos espaciais

SpaceShipTwo realiza testes para voos espaciais

O sonho de viajar em uma nave espacial está cada vez mais próximo de virar realidade. Ontem a Virgin Galactic realizou testes bem-sucedidos com sua aeronave espacial SpaceShipTwo. A Blue Origin, que realizou testes em dezembro de 2017, projeta seus primeiros voos espaciais para 2019. Ambas prometem transportar turistas para fora da Terra nos próximos anos. Além disso, a Orion Span afirmou nesta semana que quer colocar seu luxuoso hotel espacial, a Estação Aurora, em órbita em 2021, para começar a receber hóspedes em 2022.

Uma viagem ao espaço pode parecer uma excentricidade para muitas pessoas, mas a importância dessas iniciativas vai além de seus aspectos turísticos – ou futurísticos. Os olhos curiosos da humanidade há muito são atraídos pelo brilho das estrelas. Povos antigos guiavam-se pelos astros. A melhor época para o plantio era decidida com base na astronomia. Na Idade Média, as teses de Copérnico sobre o heliocentrismo foram disruptivas muito antes de essa palavra existir em nosso vocabulário. Mas foi a corrida espacial, durante as décadas de 1960 e 1970, que marcou o início das pesquisas exploratórias em ambiente externo ao nosso planeta.

O desenvolvimento de satélites e, posteriormente, naves espaciais durante a segunda metade do século XX não só permitiu a viagem do homem à Lua, mas também impulsionou a criação de diversas tecnologias que utilizamos no cotidiano: os GPS que nos guiam no trânsito, os termômetros auriculares, o micro-ondas, o aspirador em pó portátil, as lentes de contato, os filtros de água de nanofibras. É impossível imaginar o mundo de hoje sem os avanços obtidos a partir das pesquisas voltadas à conquista do espaço.

As iniciativas arrojadas de criar veículos espaciais para transporte de passageiros, hotéis em órbita ou até mesmo colônias humanas em Marte têm consequência direta na vida de milhares de pessoas. Arie Halpern destaca: “Os pesquisadores envolvidos nestes projetos precisam ser criativos, desenvolver soluções inteiramente novas, enfrentar grandes desafios. E o resultado disso servirá de base para as tecnologias que vamos usar aqui mesmo, na Terra, nas cidades do futuro”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *