Arie Halpern: a ciberespionagem é uma realidade no mundo digital

Para Arie Halpern, a ciberespionagem chegou para ficar no meio digital

Em março deste ano, o Wikileaks vazou documentos americanos que informavam a capacidade da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) de espionar a partir de diversos tipos de aparelhos eletrônicos. Nesta semana, um ciberataque global ocorreu em mais de 74 países, com os criminosos invadindo os sistemas das empresas e transformando-as em “reféns” – os criminosos criptografavam os dados da vítima e exigiam o pagamento de resgate para descriptografá-los. Esses são alguns dos casos reais da chamada ciberespionagem, uma forma digital de se apossar de dados e informações de usuários, empresas e até mesmo governos. Para o economista e empreendedor com foco em inovação e tecnologias disruptivas Arie Halpern, a ciberespionagem faz parte do mundo digital, nasceu com ele e está aí para ficar.

“A atividade de espionagem e pirataria se vale justamente das características mais revolucionárias da internet e da tecnologia digital: a interligação entre os computadores e dispositivos móveis, a movimentação de enormes volumes de informação, a existência de bancos de dados em redes e nuvens, a realização de transações pela rede mundial, entre outras”, diz Arie Halpern. Segundo ele, a cada ação no sentido de criar mecanismos de segurança correspondem reações no sentido inverso, para quebrá-los. “Não são apenas criminosos que se empenham nessa corrida, há também um atividade intensa das chamadas áreas de inteligência dos governos para desenvolver mecanismos novos de espionagem, ainda que sob o pretexto de garantir a segurança.”

De acordo com o FBI, a atividade cresceu 53% entre 2014 e 2015, o que tem criado um grande problema para que as empresas possam manter seus dados seguros. Arie Halpern explica que existem vários motivos para que a ciberespionagem seja uma atividade tão em alta. Em primeiro lugar, diversos criminosos pedem resgate pelos dados obtidos, como no caso ocorrido ano passado de criminosos que roubaram dados do metrô de São Francisco e atrapalharam o funcionamento do transporte público. Outro motivo é a espionagem industrial, em que hackers tentam buscar informações confidenciais sobre softwares de organizações com a intenção de vendê-las a empresas rivais ou vazá-las para o público.

Para empresa de segurança digital Norton, a ciberespionagem é um processo complexo. É necessário um grande preparo por parte dos criminosos, que estudam seus alvos antes dos ataques e já estipulam que tipo de informação eles tentarão roubar. Às vezes, quando não conseguem se infiltrar no sistema de uma empresa, esses hackers atacam dispositivos dos trabalhadores do local, alvos mais fáceis, e por meio deles conseguem acesso ao sistema “Os hackers tem muito mais facilidade em acessar os dispositivos de um trabalhador porque poucas pessoas tomam os devidos cuidados com seus aparelhos”, comenta Arie Halpern.

Apesar de parecer exclusivamente ilegal, algumas empresas estão obtendo lucro com a atividade. Em Israel, a empresa NSO Group desenvolveu um spyware (um tipo de malware que, quando instalado em um dispositivo, consegue “espionar” tudo o que a pessoa faz, como acessar os contatos de celular e histórico de navegação). Esse programa é vendido para empresas que querem coletar dados dos usuários. Espionar 10 iPhones, por exemplo, pode custar U$ 650 mil. O serviço, desenvolvido como uma ferramenta de segurança, está causando polêmica pois pode ser usado com propósitos não louváveis – como espionar a atividade de jornalistas ou de ativistas pelos direitos humanos, conforme a reportagem do New York Times.

Os governos passaram a lidar com a espionagem cibernética como uma questão tanto de segurança nacional quanto econômica. Alguns países, como a Finlândia, estão apostando em parcerias com empresas privadas para desenvolver métodos mais eficientes de proteção virtual. O fato é que se proteger dessas ameaças não é fácil, e qualquer proteção nunca será 100% segura. Com uma pesquisa na internet, podem-se encontrar boas dicas de segurança, como em no site Help Net Security. Para empresas, é importante investir em bons sistemas de TI e consertar problemas o mais rápido possível. Para os usuários, é importante manter os sistemas dos dispositivos móveis sempre atualizados e instalar um anti-vírus de segurança me seu computador.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *