Arie Halpern: donos de pets se beneficiam da tecnologia

A “pet tech” (“tecnologia para animais de estimação”, em tradução livre) está tornando a vida dos animais cada vez melhor e deixando os donos mais tranquilos. Os dispositivos voltados para o setor vão desde colares com GPS, até câmeras, esculturas em 3D, serviço veterinário online e brinquedos controlados à distância por wifi. Para o economista e empreendedor com foco em inovação e tecnologias disruptivas Arie Halpern, donos de animais de estimação estão entre os consumidores mais criativos, além de aceitarem rapidamente as novas tecnologias.

A Associação Americana de Produtos para Pets estima que as despesas com animais somaram US$ 60,59 bilhões em 2015. Nos últimos cinco anos, o mercado de pets norte-americano cresceu 25%. O Brasil é o segundo maior mercado do mundo, principalmente o segmento canino, com 35,8 milhões de cachorros. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), o mercado brasileiro movimenta US$ 8,16 bilhões dos negócios globais de serviços para pets.

Um dos primeiros produtos tecnológicos para animais que caiu no gosto dos donos foram as coleiras com GPS. Além de medir a atividade praticada pelos animais, o quanto eles brincam e informar seu estado geral de saúde, esses dispositivos também ajudam a encontrá-los em caso de fuga ou perda. Opções de coleiras techs não faltam: Whistle, PitPatPet e Kyon Pet são algumas.

A empresa IdealPetProducts lançou uma série de portinholas para cães e gatos que abrem e fecham a partir de sinais de rádios emitidos por uma coleira especial colocada no animal. Já outras empresas, como a Vet2Pet investiram em uma comunicação em tempo real entre veterinários e donos, para manter a saúde do animal sempre em dia. A ideia foi desenvolvida pela veterinária Stacee Santi, que queria uma forma fácil de lembrar os donos as datas de vacinação ou retorno para exames. Lançado em 2013, o aplicativo já conta com a participação de 230 veterinários nos Estados Unidos, Canadá, Portugal e Noruega.

“Muitos dos dispositivos são criados para deixar o dono menos estressado com os cuidados com o animal”, diz Arie Halpern. “Mas isso não significa que esses aparelhos não possam ser divertidos para o animal e educativo para os seres humanos.”

Brincar com o pet à distância virou uma sensação no setor. Diversos brinquedos utilizam a conexão wifi para que o dono possa aproveitar a brincadeira mesmo estando longe, no trabalho. Um desses é o iFetch, um “lançador” de bolas para cachorro, que funciona de forma semelhante às máquinas usadas no treino de batedores de beisebol. O próprio animal pode recarregar o dispositivo, colocando a bola dentro do equipamento. Dessa forma, o cão pode se divertir por horas. A “bola inteligente” PlayDate funciona de forma parecida, mas pode ser controlada à distância pelo dono do animal. Basta se conectar à bolinha e controlá-la pelo celular, como se estivesse usando um joystick, para fazê-la se mover pela casa. Com tantas opções, não há como deixar de aproveitar o tempo com seu pet.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *