Arie Halpern: a nanotecnologia mudará o mundo

Arie Halpern: a nanotecnologia mudará o mundo

Arie Halpern: a nanotecnologia mudará o mundo

Nanotecnologia já é um verbete comum para muita gente, mas nem tantas pessoas assim sabem o verdadeiro impacto que esse tipo de tecnologia tem em nossas vidas. A Iniciativa Nacional de Nanotecnologia dos Estados Unidos, programa de incentivo do governo norte-americano, definiu a tecnologia como “ciência, engenharia e tecnologia conduzida em nanoescala, cujas medidas vão de 1 a 100 nanômetros”. “Para termos uma ideia da dimensão da nanotecnologia, um nanômetro equivale a um bilionésimo de um metro”, explica o economista e empreendedor com foco em inovação e tecnologias disruptivas Arie Halpern. “A vantagem em trabalhar com elementos na nanoescala é que conseguimos com isso reforçar as propriedades dos materiais, tornando-os mais fortes, leves, resistentes e melhores condutores de energia.”

Mas, na prática, como a nanotecnologia pode ser utilizada? Uma das áreas citadas por Arie Halpern é a da medicina. Um exemplo é um chip capaz de simular um órgão humano, criado pelo instituto Biologically Inspired Engineering de Harvard. Órgãos ou tecidos em chip podem recriar funções biológicas complexas de células humanas, permitindo que os cientistas tenham uma nova visão da propriedade mecânica e bioquímica dos órgãos. Se as pesquisas continuarem em sua trajetória atual, órgãos em chips poderão transformar a maneira como os cientistas estudam a fisiologia humana, processos de doença e novas possíveis drogas. “Esse tipo de avanço na medicina não seria possível sem a nanotecnologia, uma vez que gerenciar a tecnologia em microchip seria muito mais complicado e talvez nem fosse possível”, diz Halpern.

Na área farmacêutica, aliás, a nanotecnologia tornou os remédios mais efetivos e auxiliou no tratamento de doenças como o câncer, permitindo que o medicamento chegue especificamente nas células doentes durante a quimioterapia. A nanotecnologia também ajudou a criar nanotubos de carbono, um material leve e forte de baixo custo, que pode ser utilizado em uma infinidade de tarefas, como capacitores de energia, em baterias íon-lítio (utilizada em smartphones), como catalizadores e até mesmo na criação de músculos artificiais. “O nanotubo de carbono é um material extremamente importante devido às suas propriedades”, explica Arie Halpern. “O nanotubo, que pode ser condutor ou semicondutor, transmite a eletricidade de forma até mil vezes mais eficiente do que os fios de cobre. Suas propriedades mecânicas são 100 vezes mais resistentes à ruptura por tração que o aço e ele tem apenas 1/6 da densidade deste.”

A nanotecnologia também provou seu potencial nos esportes, com diversas aplicações – da criação de tacos de golfe mais resistentes e leves até a redução do cheiro de suor que fica nas roupas esportivas. Um bom exemplo de esporte impactado pela nanotecnologia é o tênis: raquetes de tênis com essa tecnologia são 22% mais poderosas do que as tradicionais e cientistas estão estudando como criar bolas de tênis que possam segurar seu ressalto por mais tempo. A natação é outro esporte que ganhou com a tecnologia nano: cientistas desenvolveram um maiô profissional ultraleve que permite um aumento na velocidade do nadador. “O impacto da nanotecnologia nos esportes está ficando cada vez mais visível”, comenta Arie Halpern. “Os atletas podem ter equipamentos com melhor desempenho e cada vez mais leves. Esses profissionais passam a alcançar uma performance muito melhor do que o esperado e isso pode mudar para sempre a forma como esportes, principalmente em nível profissional, são praticados.”

O “nano-impacto” chega até mesmo no tratamento de água. Cientistas irlandeses estão utilizando a nanotecnologia para criar fotocatalisadores nanoestruturados para serem aplicados em equipamentos de baixo custo que utilizem a energia solar para purificar a água em regiões carentes.

Atualmente, há 1,1 bilhão de pessoas no mundo sem acesso a água potável que poderiam ter suas vidas alteradas com essa tecnologia. O processo para a purificação da água é simples: colocar a água em garrafas PET especiais e deixá-las ao sol por um período de 6 horas antes do consumo. Segundo os responsáveis pela pesquisa, crianças com menos de 6 anos que utilizaram água submetida à desinfecção solar tiveram sete vezes menos probabilidade de contrair cólera. Não há dúvidas para Arie Halpern: a nanotecnologia mudará o mundo.


Comentários

Arie Halpern: a nanotecnologia mudará o mundo — 2 Comentários

  1. me diga algo sobre nanopartículas de metais nas rochas, por exemplo como o ouro a prata etc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *