Arie Halpern: os bancos vão se aproximar de consumidores usando inteligência artificial

Para Arie Halpern, os bancos usam a IA para se aproximar de seus clientes

Para Arie Halpern, os bancos usam a IA para se aproximar de seus clientes

A inteligência artificial vem sendo cada vez mais utilizada pelas instituições financeiras para se aproximar dos clientes. Com o acirramento da concorrência, devido a chegada de novos serviços financeiros, como o cartão de crédito Nubank e as moedas virtuais Bitcoins, os bancos estão buscando redesenhar a forma de comunicação com o cliente e a oferta de serviços. Essa mudança, segundo um relatório da consultoria Accenture, deve ocorrer no período de três anos. Para o economista e empreendedor com foco em inovação e tecnologias disruptivas Arie Halpern, os bancos devem utilizar a inteligência artificial para oferecer um atendimento mais humanizado aos clientes. Com o auxílio de robôs e chatbots, os serviços oferecidos pelas instituições financeiras tendem a ganhar mais rapidez e eficiência.

No País, Bradesco e Banco do Brasil estão avançando no terreno das inovações. A ideia é que, em breve, clientes brasileiros possam conversar com seus smartphones para checar extratos e realizar transferências, entre outras atividades, aproveitando os recursos da inteligência artificial. Para os seus clientes VIPs, o Banco do Brasil está instalando um novo serviço, baseado em IA, que permite, por meio de um aplicativo de celular, que um assistente virtual personalizado cuide das transações financeiras. A segurança será feita por reconhecimento de voz, para combater riscos de fraude. O Bradesco vem testando uma tecnologia similar que possibilitará aos clientes dialogar com os computadores.

Para tornar possível o uso desse sistema de inovação, os bancos estão empregando uma tecnologia chamada de computação cognitiva, uma subcategoria de inteligência artificial capaz de lidar com grandes quantidades de dados. Com essa tecnologia, um assistente virtual poderia, por exemplo, analisar o histórico financeiro do cliente e sugerir quais planos bancários seriam mais interessantes para ele, ou sugerir como investir o dinheiro. “Esse serviço personalizado é o grande diferencial que os bancos buscam, dando aos clientes a impressão de que os bancos conhecem muito melhor as suas necessidades”, diz Arie Halpern.

Reportagem publicada pela Forbes informa que nos próximos anos a IA transformará as funções centrais do universo das finanças, dando mais rapidez aos processos bancários e diminuindo a burocracia –  característica muito associada à imagem dos bancos. Ela deve diminuir também os gastos dos bancos para realizar todas as ações financeiras necessárias no seu dia a dia.

Aos que tem medo de perder o emprego por causa da inteligência artificial, Arie Halpern  não vê motivos de preocupação. “A IA ficará responsável por um trabalho muito manual e repetitivo, dando mais tempo para que os humanos cuidarem de outras tarefas. Além disso, as máquinas ainda precisarão dos humanos para tomar  as decisões estratégicas.”

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *