Arie Halpern: “sempre acreditei nos meus sonhos”

Arie Halpern: trajetória profissional orientada por projetos de tecnologia disruptiva

Arie Halpern: trajetória profissional orientada por projetos de tecnologia disruptiva

Neste perfil, o visitante do blog fica sabendo um pouco mais sobre a trajetória profissional deste empreendedor, com vocação para inovações e tecnologias disruptivas. Às vésperas de completar 70 anos, Arie Halpern encontra energia e vitalidade para começar de novo. Boa leitura!

Um estudo do Instituto Endeavor, organização não governamental de apoio ao empreendedorismo, elenca seis perfis de empreendedores no Brasil: o nato, o situacionista, o que quer ficar rico, o idealista, o que faz as coisas do próprio jeito e o herdeiro. O estudo envolveu entrevistas com quase 4.000 pessoas nas cinco regiões do País, considerando aspectos comportamentais, motivacionais e de gestão. O economista Arie Halpern, se lhe fosse atribuído um desses perfis, seria o nato, que, segundo o estudo, é o mais otimista, autoconfiante e corajoso. Ele é, segundo o estudo, o oposto do situacionista, que é mais acomodado e não tem o desejo ou sonho de empreender.

Em resumo, o empreendedor nato vê oportunidades onde os outros não veem. “Arie Halpern é determinado, visionário e ‘buscador’ de oportunidades, de desafios, de resultados”, escreve Valdir Justra, gerente nacional de operações da CTF Technologies, no perfil de LinkedIn do empreendedor, que possui mais de mil conexões com parceiros, ex e atuais colegas de trabalho e amigos. “Ele é o melhor exemplo de vendedor que já vi em ação: altamente persuasivo e inteligente”, escreve Tatiana Cesar de Carvalho, gerente comercial da mesma empresa. Com a palavra, o próprio Arie Halpern: “Sempre acreditei nos meus sonhos e corri atrás deles com disciplina, determinação, muita paixão e atitude positiva; o novo e as novas tecnologias sempre estiveram no meu radar e nunca tive medo de assumir riscos”, diz.

Com uma trajetória empresarial marcada pela liderança de projetos disruptivos, Arie Halpern, economista formado pela Universidade Mackenzie, 5 filhos, liderou, ao longo de sua carreira de mais de 50 anos, uma série de projetos inovadores, sempre motivado pela ideia de identificar oportunidades de negócio onde ninguém mais enxergava. O conhecimento acumulado em construção e gestão de projetos de inovação tecnológica, empreendedorismo e gestão motivacional é o principal ativo de sua carreira. A partir dessas experiências, aprendeu a usar a criatividade para escapar da chamada posição de zona de conforto e a apostar no novo. Atualmente, pesquisa e investe em tecnologias de inovação em diversas áreas de interesse, como a construção civil e a suinocultura (ver abaixo).

Nos últimos 9 meses, a imprensa publicou 20 artigos de autoria do empreendedor. Publicações de grande prestígio na área de tecnologia e inovação, como Computerworld, IDG Now e Olhar Digital são alguns dos veículos que publicaram seus artigos. Ele também foi entrevistado por alguns canais, como o TV Terra Viva.

ArieHalpernTerraViva

Começo precoce –  Arie Halpern começou cedo no empreendedorismo. Aos 22 anos, durante férias escolares, viajava o mundo – para a África Ocidental, de Dakar até a Nigéria, Costa do Martim, Senegal, Libéria e Gana –, oferecendo produtos made in Brazil. Intermediou operações de comércio exterior com a cara e a coragem. Da África Ocidental para o Brasil, por meio do sistema de telex dos hotéis onde se hospedava, fechou bons negócios, como a venda de óculos de sol, frutas em conserva, alpargatas, peças de confecções em algodão e guarda-chuvas. Uma rotina que se repetiu durante anos.

Depois de estudar alguns mercados no exterior, enxergou nos produtos inusitados brasileiros uma oportunidade de negócio: exportou de  espetáculos de fogos de artifício para a Disneyworld, na Califórnia, e biriba, para as festas de 4 de julho, nos Estados Unidos, a pincéis manufaturados com pelos de orelha de animais e doces enlatados, para as comunidades hispânicas na Europa e nos Estados Unidos. Mais tarde, montou uma exportadora de frutas frescas e exportava mangas, uvas, laranjas, e gengibre fresco.

O conhecimento de comércio exterior rende ao jovem, com 25 anos, convite do então presidente do Banco Central, Ernane Galvêas, para integrar a comissão da 1ª Missão Comercial brasileira à China, organizada pela AEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil). Mais de 100 pessoas participaram da missão, naquele outubro de 1972, entre as quais representantes de empresas como Cobrasma, de equipamentos ferroviários, Confab, de tubos de aço para gasodutos e oleodutos, e Moinho Santista. A Missão foi responsável por exportações no valor de US$ 70 milhões.

Naquele mesmo ano, ele é procurado pela WTGrants, na época uma das maiores varejistas dos Estados Unidos, para representá-la na compra de produtos brasileiros e fazer inspeção no embarque das mercadorias. O trabalho com os norte-americanos vai muito bem e ele monta escritório no centro de São Paulo, na Rua Rego Freitas. A localização é estratégica: atrás do Hotel Hilton, onde os importadores se hospedavam quando vinham fazer compras. Às exportações dos produtos alimentícios se somaram as de confecção. Certa vez, para atender ao pedido de uma indústria de roupas de bebê, Arie Halpern foi para o Sul do País para desenvolver dez malharias infantis para confeccionar essas roupas. Fez o mesmo no interior de Minas Gerais.

Nessa incursão pelo mundo do comércio exterior, Arie Halpern acaba se aproximando de um fabricante brasileiro de óculos de sol, a Oculostar, localizada no Tatuapé, bairro da Zona Leste de São Paulo. Virou sócio e deu uma guinada nos negócios. O pulo do gato foi a produção de óculos de sol de estilo francês, que caiu no gosto dos consumidores brasileiros. As redes de departamento Mappin, Mesbla e Casa Sloper vendiam os modelos aos montes. Arie Halpern diz que, pelo que tem notícia, Oculostar foi a primeira fabricante a lançar displays de óculos no Brasil. A empresa teve seu nome alterado mais tarde para Leyss International e se mudou para a Av. Nossa Senhora do Ó, no Largo da Matriz, na Freguesia do Ó.  Em 1974, aos 27 anos, o empreendedor ganhou um bom dinheiro com a venda da Leyss.

Nessa época, ele abriu duas empresas na área de biotecnologia dedicadas ao desenvolvimento de micro-organismos, uma delas voltada para a extração de pedras preciosas de minas — ajudar a desprendê-las das rochas — e, outra, para liberar nitrogênio em solos de áreas agrícolas.

Durante as duas décadas seguintes, Arie Halpern, após aceitar convite de indústrias israelenses de equipamentos militares e de equipamentos eletrônicos educacionais para representá-las na importação desses produtos para o Brasil, dedicou-se integralmente ao comércio exterior. Também promoveu a exportação de dezenas de milhões de dólares de produtos brasileiros para Israel, num acordo bilateral que visava compensar as exportações israelenses para cá. Dessa experiência, surgiu seu grande interesse pelas novas tecnologias desenvolvidas naquele país, considerado o segundo polo de inovação do mundo, atrás do Vale do Silício. Começa aí sua incursão pelas tecnologias disruptivas, um caminho vibrante e sem volta.

Projetos disruptivos – A essa altura, a veia empreendedora do jovem já se manifestara. No final dos anos 80, Arie Halpern se torna licenciado da israelense ECI para fabricação do TLD, sistema de telefonia capaz de duplicar a capacidade de tráfego de rotas de transmissão analógica, e o desenvolvimento de outros produtos de alta tecnologia no setor. O País vivia uma crise no sistema de telecomunicações. A inovação trazida de Israel era uma solução eficiente para superar a situação de congestionamento que afetava o tráfego telefônico no Brasil inteiro. O TLD foi o sistema que suportou a cobertura jornalística pela imprensa do mundo todo da morte do ambientalista Chico Mendes, em Xapuri, no interior do Acre, ocorrida no dia 22 de dezembro de 1988.

Na década de 90, durante dois anos, Arie Halpern residiu em Palo Alto, nos Estados Unidos, e fez parte da equipe que desenvolveu um software de transferência de arquivos através de envio de imagens gráficas similares aos códigos utilizados hoje como QRcode e similares.

Aos 50 anos, em 1997, Arie Halpern lança um sistema inédito de controle de combustível em frotas de veículos de todos os portes e das mais diversas atividades do mercado de transportes brasileiro. A plataforma de pagamento da CTF Technologies une operadoras de frotas, dois dos maiores bancos brasileiros, Bradesco e Itaú, e as duas maiores bandeiras de combustíveis brasileiras, a BR e a Ipiranga. A posição de líder no mercado de pagamentos de combustível do Brasil, com o processamento de mais de 3 bilhões de litros de combustível por ano a mais de 5 mil clientes, atraiu a atenção do mercado internacional. E, em 1/5/2012, a CTF foi vendida para a FleetCor Technologies Inc., provedor líder global de produtos de pagamento de mão de obra e cartão de combustível para empresas. Por exigência dos norte-americanos, Arie Halpern se manteve na CTF mais um ano.

Arie Halpern encontra energia e vitalidade, às vésperas de completar 70 anos, para começar projetos de novo do zero. Fez parte, recentemente, das equipes de desenvolvimento de dois grandes projetos de tecnologia disruptiva — Gauzy e Tonisity.

Eleita uma das 10 tecnologias futuristas de Israel, pelo NoCamels.com, site israelense de notícias líder na cobertura de assuntos de inovação, a tecnologia de película de cristal líquido da Gauzy, o vidro inteligente, ressignifica o conceito de transparência em janelas e outras inúmeras aplicações. O produto, que começou a ser desenvolvido em 2009, permite controlar a quantidade de luz que entra no ambiente, possibilitando que o vidro funcione como cortina, simulando movimentos de abrir, fechar e bascular, além de oferecer aos profissionais de construção e arquitetura novas opções de sombreamento. O lançamento da tecnologia no Brasil, no ano passado, teve ampla cobertura pela imprensa.

A irlandesa Tonisity nasceu em 2014 para lançar o PX, um novo isotônico que quebra o paradigma de que os porcos não bebem água em seus primeiros dias de vida. Sua fórmula palatável fortalece o intestino dos leitões, estimula o sistema imunológico e melhora a absorção de nutrientes, oferecendo melhores condições de desenvolvimento para os suínos. Dessa forma, os leitões se sentem melhor e, consequentemente, comem mais. O efeito disso é a redução de perda de animais. Em testes realizados em uma fazenda da Irlanda do Norte, a fórmula PX foi responsável por alterar a taxa de mortalidade dos porcos recém-nascidos de 13% para 7%.

Infância na Terra Santa e no Brasil – Uma grande inspiração de Arie Halpern foi seu pai e a história sofrida de sua família. Tudo começa na Iugoslávia, no período pós-Segunda Guerra Mundial, em 1947. Os pais, nascidos em Chernivtsi, no sudoeste da Ucrânia, eram refugiados judeus e tentavam emigrar para a Terra de Israel, na época sob mandato britânico. As autoridades inglesas restringiam o número de judeus que podiam entrar legalmente no país. Interceptaram o navio e o casal Halpern foi levado para a Ilha de Chipre. O primogênito, Arie Halpern, foi concebido na ilha. Na segunda tentativa de chegar a Israel, apesar do patrulhamento britânico, o casal consegue embarcar. O navio Runnymede Park deixa a Ilha de Chipre com 500 passageiros e aporta no Porto de Haifa, em Israel, com 501. Arie Halpern nasce em 16/6/1947, a bordo do Runnymede Park.

O pai se recusou a dar cidadania inglesa ao filho. Arie Halpern, nacionalidade israelense, passou os cinco primeiros anos da infância na Terra Santa. Quis o destino que o Brasil entrasse na rota da família Halpern. A avó paterna morava nos Estados Unidos e queria o filho por perto. Enviou passagens de navio para todos, mas, a exemplo de outros judeus nascidos nos países da cortina de ferro, foram barrados em Marseille, na França, de onde embarcariam para Nova York. O pai, envergonhado, se negou a voltar para trás e acatou o convite de um amigo – “vem para o Brasil comigo”. Um novo e duro começo em São Paulo. O pai ganhava a vida recolhendo garrafas e jornais nas ruas para vender a um depósito; a mãe costurava. Dez anos mais tarde nascia o primeiro e único irmão de Arie Halpern. O dinheiro poupado ao longo dos anos permitiu à família abrir uma confecção e algumas lojas na região do Bom Retiro.

Arie Halpern teve uma educação tradicional judaica e uma infância e adolescência humildes. Fez primário na escola judaica Renascença, no Bom Retiro. Aos 14 anos, teve seu primeiro emprego, como ajudante de perfumaria na antiga Mesbla, na Barra Funda, em São Paulo. Trabalhava das 16 às 22 horas para ajudar os pais; pela manhã, estudava no Ginásio Sttaford, nos Campos Elíseos. Cursou o colegial técnico eletrotécnico na Universidade Presbiteriana Mackenzie e, nesse período, fez estágio na Light. Formou-se, em 1971, em economia pela mesma universidade e trabalhou como auditor em empresas de engenharia.

Disruptivas e Conectadas – Workaholic confesso, focado, competência singular para traçar estratégias, viciado em tecnologia e uma enorme capacidade para se organizar, Arie Halpern ainda encontra tempo, paralelamente ao trabalho desenvolvido como diretor na Gauzy e na Tonisity, para manter uma rotina de estudos e pesquisas e produção intelectual. É bastante ativo nos canais digitais – Facebook; Twitter; LinkedIn; Medium e Google Plus –; e, desde agosto do ano passado, alimenta o blog Disruptivas e Conectadas. O blog é dedicado aos temas da inovação e de tecnologia e se propõe a ser um canal de compartilhamento de experiências e reflexões sobre mudanças em conceitos de produtos e modelos de negócios que têm redesenhado o mercado. O objetivo é contribuir para que bons exemplos sejam conhecidos, instiguem a capacidade inventiva e empreendedora dos leitores, e se multipliquem.

 


Comentários

Arie Halpern: “sempre acreditei nos meus sonhos” — 3 Comentários

  1. Tive a honra e o prazer de trabalhar ao lado desse que foi sem dúvida, o melhor empreendedor que trabalhei. Unindo prazer ao negócio, de forma que todos acreditavam em suas inovações

    Exemplo de sucesso e visão

    Forte abraço

  2. Feliz quem pode e teve a oportunidade de trabalhor numa das empresas comandada por você,só teve muito a apreender,com a sua ousadia e coragem de arisca e vencer sempre.por isso desejo muito sucesso na sua vida.
    Parabéns .

  3. Quanta coisas nós funcionário aprendemos com esse xemplo de homem,garra e determinação nunca faltou e nunca há de faltar na vida dele. Arie Parabéns e sucesso sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *