Casa inteligente mais conectada com dispositivos e controles integrados

A anunciada integração entre os equipamentos do Google para a casa conectada e o app Samsung Smartthings, usado para acionar dispositivos domésticos, finalmente está ativa. A notícia divulgada sem grande alarde durante o Samsung Galaxy Unpacked, o evento anual da fabricante sul-coreana, significa que as câmeras de vigilância, termostatos, campainhas e fechaduras da marca Google Nest podem ser controlados por celulares com sistema Android.

A integração entre dispositivos de controle e equipamentos inteligentes usados em atividades domésticas vai acelerar a evolução da casa inteligente. Fabricados por diferentes empresas, eles geralmente funcionam com um único sistema operacional ou plataforma. Um grande passo nessa direção deve ocorrer até o fim deste ano: o lançamento de uma primeira versão de um padrão único para conectar equipamentos domésticos inteligentes independentemente do sistema operacional ou do fabricante.

A ambiciosa iniciativa está sendo desenvolvida pelo Project Connected Home over IP. O objetivo do consórcio, que reúne centenas de empresas, como Amazon, Google, Apple, Samsung, é criar uma plataforma de casa inteligente unificada e com código aberto. Entre os membros está a Zigbee Alliance, organização que fornece padrões globais abertos para a Internet das Coisas (IoT).

Enquanto trabalham conjuntamente para facilitar instalação e configuração dos dispositivos domésticos inteligentes, ampliando as opções para os consumidores, as empresas continuam trabalhando para facilitar o dia a dia e ganhar espaço num mercado em crescimento. De acordo com a empresa de pesquisas ABI Research, o mercado de equipamentos para a casa inteligente cresceu 6,7% em 2020 em relação a 2019, chegando a US$ 88 bilhões.

Móveis e eletrodomésticos vão monitorar hábitos e saúde

A Samsung, por exemplo, prevê lançar em breve um robô batizado Bot Handy. Quase do tamanho de uma pessoa, ele será capaz de realizar tarefas como colocar a louça na máquina de lavar, guardar objetos ou servir bebida em um copo. O robô identifica o material e o peso de cada item para manuseá-lo sem estragar. A empresa também desenvolve um aspirador de pó dotado de uma câmera com tecnologia LiDAR (Light Detection And Ranging), que ilumina os objetos e, a partir do reflexo da luz, calcula a distância precisa entre eles.

A também sul-coreana LG  lançou um refrigerador cuja porta pode ser aberta por comando de voz e um novo forno cuja luz interna acende com duas batidas rápidas na porta e pode ser acionado remotamente pelo aplicativo da fabricante. Já para quem precisa cuidar do jardim, a Worx tem um robô cortador de grama sem fio que, além de ser programável, possui sensores de chuva que o levam de volta à base se o clima mudar.

“Com milhões de pessoas ficando mais tempo em casa e buscando mais conforto e facilidade para realizar as tarefas, a expectativa é acelerar o  crescimento do setor”, prevê o especialista em tecnologias disruptivas Arie Halpern. A estimativa é que, até o ano que vem, 63 milhões de casas nos Estados Unidos serão classificadas como inteligentes, segundo a empresa sueca de pesquisa de mercado Berg.

A casa inteligente do futuro, no entanto, irá muito além da rotina doméstica. Com Inteligência Artificial, câmeras e sensores, refrigeradores, caixas de som e sistemas de iluminação aprenderão com os hábitos dos moradores. Assim, conforme a hora do dia ou a atividade que os moradores estejam realizando, automaticamente, tocarão as músicas preferidas para despertar, trabalhar ou adormecer e acenderão ou apagarão as lâmpadas, adequando a luminosidade.

O refrigerador sugerirá opções mais saudáveis ou adequadas em cada horário e armários de remédios poderão verificar se a pessoa está seguindo a recomendação médica. Vasos sanitários podem analisar amostras de urina e espelhos passarão a verificar a saúde monitorando a aparência da pele.

As residências também terão sensores próprios capazes de verificar problemas como infiltração de água e infestação de pragas, alertando seus proprietários.

Para que tudo isso funcione, a conexão entre os vários equipamentos e sistemas de controle é fundamental. Só assim é possível criar uma espécie de efeito cascata em que um comando seja atrelado a outro. Com os vários dispositivos inteligentes de aplicações para iluminação, segurança e entretenimento doméstico integrados em uma rede única, a casa vai trabalhar por si. Quando o sensor da porta da garagem identificar o carro chegando, ela verifica a temperatura, acionando o aquecimento ou refrigeração se necessário, acende as luzes e toca a playlist favorita do dono.