Cibersegurança é aliada para não cair em golpes virtuais

Recentemente, um rapaz teve o celular roubado na cidade de São Paulo quando voltava de viagem, dentro de um táxi. O aparelho estava desbloqueado e os ladrões chegaram a movimentar mais de R$140 mil reais por meio de compras e transações realizadas via Pix. As operações foram validadas pelo iToken instalado no aplicativo do próprio aparelho. Esse caso, junto a tantos outros relatos de roubos de celulares no Brasil, expôs a segurança dos processos dos bancos e traz à tona os debates sobre cibersegurança.

A segurança cibernética é a proteção de sistemas conectados à Internet, como hardware, software e dados, contra ameaças cibernéticas. A prática é usada por indivíduos e empresas para proteção contra o acesso não autorizado a data centers e outros sistemas informatizados.

Uma forte estratégia de segurança cibernética pode fornecer uma boa postura de segurança contra ataques maliciosos projetados para acessar, alterar, excluir, destruir ou extorquir sistemas e dados confidenciais de uma organização ou usuário. A segurança cibernética também é fundamental na prevenção de ataques que visam desabilitar ou interromper as operações de um sistema ou dispositivo.

 

Por que a cibersegurança é importante?

Com um número crescente de usuários, dispositivos e programas, combinado à inundação de dados – muitos dos quais são sensíveis ou confidenciais – a importância da segurança cibernética continua a crescer. O crescente volume e a sofisticação de ciberataques e técnicas de ataque agravam ainda mais o problema.

 

Cibersegurança em bancos

Muitos bancos tem lutado contra as fragilidades do seu sistema e reforçado os investimentos contra ciberataques. Um grande número de clientes denunciou tentativas de enganar o consumidor utilizando a marca do banco por meio de sites falsos, mensagens de Whatsapp e redes sociais.

Algumas instituições publicaram vídeo, por exemplo, alertando para que as pessoas não caiam em golpes aplicados por esses criminosos. Além dos conhecidos truques dos ladrões, as mensagens sobre Pix de R$75,00 como promoção de aniversário do banco e outras ações são formas utilizadas nas fraudes. A ideia é que as pessoas cliquem em links que são duvidosos e tenham suas contas capturadas.

De acordo com uma reportagem publicada pela BBC, até setembro de 2021 a Receita Federal bloqueou mais de R$ 2,7 milhões de tentativas de golpes envolvendo o Pix.

 

Teve o celular roubado? Como se proteger.

Se você teve o celular roubado, deverá se atentar para algumas ações que são essenciais para a sua proteção. A primeira delas é ligar para a sua operadora de telefonia, informar o ocorrido e pedir o bloqueio do chip do celular. Além disso, é fundamental que você passe o número IMEI do seu aparelho, que é o registro do telefone, para que seja feito o bloqueio.

“Em seguida, você deve trocar as suas senhas de acesso do ID Google ou da Apple para evitar invasões e outros problemas causados pelo roubo. Alterar as senhas de e-mails e redes sociais também ajuda nesse processo, além de apagar os dados do aparelho de forma remota.  Você deve bloquear ainda os cartões de crédito, de forma a evitar que transações sejam feitas no seu nome”, afirma Arie Halpern, especialista em tecnologias disruptivas.

Uma pesquisa realizada pelo Mobile Time e Opinion Box revelou que aproximadamente 61% dos brasileiros já tiveram o celular roubado ao menos uma vez, o que significa que mais de 102 milhões de celulares. A pesquisa evidencia que a forma mais utilizada para essas ações são os “furtos simples”, ou seja, quando o aparelho é retirado das vítimas sem que elas percebam.

 

A digitalização do dinheiro

Com o aumento da digitalização do uso do dinheiro, as ameaças à segurança cibernética também cresceram tremendamente. Você provavelmente ouviu falar sobre bilhões de dólares roubados de grandes instituições financeiras.

À medida que o mundo está cada vez mais conectado digitalmente, também abriu pontos de entrada para os cibercriminosos; portanto, a cibersegurança no banco digital é a necessidade do momento. Houve até mesmo violações de dados de bancos tecnologicamente experientes.

Uma segurança cibernética forte é essencial para os bancos, pois as violações de dados podem dificultar a confiança nas instituições financeiras, além de causar sérios problemas para as vítimas. A segurança cibernética no banco digital garante que seus dados confidenciais estejam seguros e protegidos.