Como a corrida espacial influenciou o nosso dia a dia

Uma missão espacial marcada para 4 de agosto acaba de ser anunciada pela NASA. O objetivo da viagem é, pela primeira vez na história, “tocar o sol”.  A agência espacial pretende chegar bem perto do sol graças a ajuda de um escudo de calor de alta tecnologia instalado em uma nave espacial não tripulada. Essa inovação poderá ser útil para outros usos aqui na Terra, uma vez que o escudo promete bloquear temperaturas de 1371 Cº fazendo com que a sensação térmica para a nave seja de apenas 29 Cº.

Quase todas as pesquisas espaciais tiveram grande aplicação na vida prática e o retorno que geram não é apenas científico, mas também econômico. Segundo estimativas da própria agência espacial norte-americana, cada dólar investido em tecnologias espaciais geram um retorno de US$ 14 para a economia daquele país.

Para que se tenha uma ideia de como influenciam nossa vida, o Disruptivas e Conectadas levantou uma lista de sete tecnologias desenvolvidas pela NASA responsáveis por muitas inovações disruptivas que se incorporaram ao nosso cotidiano.

TV por satélite

Um dos grandes avanços nas transmissões de TV, o uso do sinal dos satélites é resultado das pesquisas aeroespaciais. Para possibilitar a comunicação com os astronautas no espaço, a NASA, no início, utilizava balões de alta altitude, mas, posteriormente, na década de 1960, desenvolveu os satélites de comunicação. Essa é também a tecnologia que permitiria o avanço da internet móvel e da telefonia.

Telemedicina

A telemedicina é uma prática moderna que também recebeu grande contribuição  da agência espacial norte-americana. Surgiu da necessidade de dar assistência médica, à distância, aos astronautas em viagens espaciais.  O foco dos esforços atuais da agência, se expandiu além da ideia original de telemetria e comunicação remota para englobar novos sistemas médicos inteligentes que são projetados não apenas para comunicar e diagnosticar astronautas doentes, mas também para capacitar os médicos para o tratamento efetivo de doenças à distância.

Purificadores de água

Desde que se decidiu enviar seres humanos ao espaço, era preciso garantir que eles tivessem acesso a água limpa para consumo. Com a ajuda de empresas comerciais, a NASA desenvolveu uma forma de purificar a água com o emprego de iodos ao invés de cloro. Hoje em dia, essa tecnologia é utilizada também no tratamento da água em algumas cidades.

Comida congelada a vácuo

Além de saciar a sede, seria preciso alimentar os astronautas. Até 1962, não se sabia se os astronautas conseguiriam ingerir alimentos sólidos no espaço e se os nutrientes seriam absorvidos pelo corpo humano. A comida congelada inventada pela NASA era capaz de manter seus valores nutricionais, graças à técnica de embalagem a vácuo. Essa tecnologia de preservação foi incorporada pela indústria de alimentos e hoje é comum no uso doméstico.

Material viscoelástico

Quem já não viu a propaganda dos travesseiros que usam a espuma da NASA? O material viscoelástico desses produtos nasceu também das pesquisas espaciais. O material se caracteriza por moldar-se às formas do corpo, o que assegurava  maior estabilidade aos astronautas na hora de dormir.

Plantação de alimentos com LED

Diversas pesquisas na agência especial foram voltadas à produção de alimentos  no espaço. Uma das alternativas encontradas foi a de plantar vegetais e fazê-los crescer sob a luz de LEDS. Esse tipo de iluminação é eficiente e versátil e a ideia data do final da década de 1980. Hoje a tecnologia do LED encontra um sem número de aplicações, como em fazendas verticais urbanas.

Membros artificiais

A NASA investiu muita pesquisa de materiais resistentes e flexíveis para auxiliar os astronautas no espaço e alguns desses materiais foram muito importantes no campo médico das próteses. Um exemplo é a espuma utilizada no isolamento dos tanques de combustível dos foguetes. Elas são usadas para fazer os moldes de alguns tipos de próteses e ainda permitiram reduzir os custo de produção desses dispositivos.

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *