Conheça 10 tecnologias do nosso dia a dia que foram desenvolvidas em períodos de guerra

As guerras são acontecimentos traumáticos que causam grande apreensão e sofrimento. Mas, apesar disso, fomentam a indústria tecnológica, estimulando o desenvolvimento de máquinas e serviços que acabam sendo incorporados por todos nós anos ou décadas depois. São inovações que transformam a própria natureza da guerra e provocam mudanças para toda a humanidade.

Muitos das coisas que hoje fazem parte de nosso dia a dia foram criadas ou descobertas durante as guerras.

Aerossol

A válvula que dispensa um jato de partículas sólidas de um produto que ficam suspensas em um meio gasoso foi patenteada pelo engenheiro norueguês Erik Rotheim, em 1927. Mas foi durante a Segunda Guerra que o governo dos Estados Unidos financiou uma pesquisa para desenvolver uma forma de pulverizar pesticidas em mosquitos transmissores da malária. Assim, em 1943, pesquisadores americanos desenvolveram um aerossol que podia ser pressurizado com gás liquefeito. A partir dele foi possível criar produtos como sprays de cabelo e desodorantes.

Ambulâncias

Para socorrer os soldados feridos em combates, em 1487, a rainha da Espanha, Isabel I de Castela, determinou a construção de vagões com camas especiais e toldos para que fossem transportados até as tendas onde eles recebiam atendimento. Mas eles só podiam ser usados após o fim das batalhas. Somente três séculos depois, durante conflitos na França, passaram a ser usados veículos com duas ou quatro rodas puxados por cavalos que entravam no campo de batalha para atender os feridos e fornecer os primeiros socorros.

Câmeras digitais

Desde o fim da década de 50, os governos enviam satélites para a órbita terrestre, equipados com câmeras para capturar imagens de territórios inimigos. Esses equipamentos servem para observar não apenas a posição das tropas, mas também o desenvolvimento industrial de uma região ou país. Há algumas décadas, as imagens eram registradas em filme fotográfico, que era enviado periodicamente à atmosfera terrestre. O processo de recuperação do filme era trabalhoso e, muitas vezes, as imagens eram perdidas. Em 1976, a NASA lançou o satélite KH-1 “Kennan”, equipado com uma câmera óptico-elétrica capaz de transmitir as imagens em formatos digitais. Os fundamentos dessa tecnologia estão presentes até hoje nas câmeras digitais usadas por civis do mundo todo.

Computadores

Criado no início de 1944, durante a Segunda Guerra, o computador Colossus foi fundamental para a vitória dos Aliados na invasão da Normandia. A inteligência para decodificar mensagens trocadas entre soldados nazistas foi desenvolvida na instalação militar secreta Bletchley Park, também conhecida como Station X, próxima a Londres. Ela envolveu uma equipe de especialista de diferentes áreas, um deles é o famoso matemático Alan Turing. Ao mesmo tempo, nos Estados Unidos, era desenvolvido o Electronic Numerical Integrator And Computer (ENIAC), considerado por alguns como o primeiro computador eletrônico do mundo. Mas ele só ficou pronto em 1946, durante a Guerra Fria. Utilizado basicamente para cálculos balísticos, foi chamado na época de “cérebro gigante”. O ENIAC pesava 30 toneladas e ocupava um espaço de 167 metros quadrados.

Controle de tráfego aéreo

A comunicação entre pilotos de aviões e pessoas no solo só se tornou possível durante a Primeira Guerra Mundial. Até então, após decolar os pilotos ficavam praticamente incomunicáveis. A única forma de comunicação era por meio de gestos com bandeiras ou luzes. O desenvolvimento de um sistema de comunicação com aviões durante o voo começou em 1915, nos Estados Unidos, e no ano seguinte foi possível enviar uma mensagem via telégrafo sem fio para alguém que estivesse a 225 quilômetros de distância. Em 1917, pela primeira vez a voz humana foi transmitida por um rádio instalado em um avião para um operador no solo.

Forno de micro-ondas

O forno de micro-ondas é outra criação da engenharia militar. Durante o início da Guerra Fria, em 1945, o engenheiro americano Percy Spencer trabalhava com a tecnologia de radares usando ondas eletromagnéticas. Durante seu trabalho, ele percebeu que uma barra de chocolates havia derretido em seu bolso e concluiu que o calor para isso havia provocado pelas micro-ondas. A partir disto, as pesquisas evoluíram até chegarmos aos fornos de micro-ondas.

GPS

Usados na Segunda Guerra, os sistemas de navegação via rádio, como o LORAN ou o Decca Navigator, são a base do GPS que usamos. Antes restrito aos militares, ele se tornou parte de nosso dia a dia. Porém, como foi criado pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, a prioridade em seu uso é das forças armadas dos EUA. Por isso, outros países vêm desenvolvendo projetos de sistemas equivalente, como por exemplo, o Galileu.

Internet

Ainda durante a Guerra Fria, os Estados Unidos buscavam um meio de descentralizado de comunicação e armazenamento de dados, para que pudesse continuar funcionando mesmo que fosse alvo de bombardeio. Assim, a ARPA, agência militar especialmente desenvolvida para a criação desse projeto criou o ARPANET, o precursor da rede mundial de computadores. No início, restrito para uso militar, foi depois liberado para uso acadêmico e, finalmente, para o público em geral.

Produção em massa de antibióticos

Apesar já existir, foi durante a Segunda Guerra Mundial que a penicilina passou a ser produzida em massa com o objetivo de tratar milhões de pessoas de doenças como a sífilis e a gonorreia, que faziam vítimas em batalhões do mundo todo. Com isso, ela também abriu as portas para o desenvolvimento de outros medicamentos que se tornaram essenciais para os soldados. Outros avanços médicos que evoluíram durante a Segunda Guerra foram a transfusão de sangue e a medicina aeroespacial, que possibilitou aos pilotos voarem seguramente a altitudes elevadas e por longos períodos.

Wi-fi

Mais conhecida como estrela de Hollywood, a atriz Hedy Lamarr tinha como hobby a invenção e foi ela quem criou wi-fi. Durante a Segunda Guerra Mundial, a atriz desenvolveu um sistema de torpedos guiados por rádio que os impedia de serem detectados pelo inimigo, que décadas depois deu origem ao primeiro padrão de conexão wi-fi, em 1997.