Controle adaptável promove inclusão no mundo dos games

A Microsoft desenvolveu um equipamento que possibilita que crianças com problemas motores ou deficiências físicas joguem videogames com os amigos. O Adaptive Controller permite várias opções de comando por meio de um painel tátil – ao contrário do tradicional controle com botões analógicos – que podem ser manipulados não só com as mãos, mas com outras partes do corpo como pés, ombros e queixo, conforme divulgado pela Microsoft no vídeo de apresentação do produto.

Desenvolvido para ser reprogramado de acordo com a necessidade de cada jogo e de cada usuário, o controle também reconhece extensões como pedais e outros botões sensoriais – há ainda a opção de adicionar um controle tradicional que funciona como um copiloto.  O equipamento possui apenas dois botões principais e 19 entradas para a conexão de peças adicionais (no controle convencional, são 16 botões!).

Até mesmo a embalagem na qual o produto é vendido foi pensada para ser acessível, tendo em vista que outras caixas demandam habilidades específicas para abri-las. A caixa do Adaptive Controller possui um lacre central que requer um único movimento para ser removido, tornando a tarefa de abrir a caixa muito mais simples para quem possui deficiências.

Veja o funcionamento do controle:

O equipamento foi apresentado durante o maior evento esportivo dos EUA, o Superbowl, por meio de um vídeo contando pequenas histórias com as experiências das crianças com o controle. Com o slogan “We all in”, a divulgação faz parte da campanha de “empoderamento” da marca, abordando mensagens comoventes a fim de mostrar que ela não é apenas uma grande corporação.

Kathleen Hall, gerente de marketing da Microsoft fez um anúncio logo após o Superbowl:o lançamento do produto foi feito com o objetivo de empoderar todas as pessoas para que conquistem mais (independência). O Xbox Adaptive Controller ajuda as crianças a melhorar sua experiência nos jogos e possibilita  competir de novas maneiras. Que mensagem seria melhor que essa para a estreia de um evento esportivo?“.

Para Arie Halpern, economista e especialista em tecnologias disruptivas, a inclusão é uma das mais inspiradoras qualidades da tecnologia. “As limitações físicas do ser humano já inspiraram, no passado, centenas de máquinas e robôs. Hoje, o potencial das máquinas vem sendo cada vez mais explorado para permitir que pessoas com restrições físicas consigam desempenhar atividades que antes eram restritas”, conclui Halpern.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *