De solução a problema, o plástico se tornou o maior desafio ambiental do século

Os plásticos revolucionaram a vida moderna, mas criaram uma crise global de descarte de resíduos alimentada por nossa dependência e demanda por materiais descartáveis de baixo custo. Novas soluções são essenciais para enfrentar o desafio relacionados aos resíduos de plásticos.

Assim como parte das novas tecnologias ao longo da história, o desenvolvimento e a disseminação do plástico não deram grande atenção aos impactos, especialmente no longo prazo.

Os plásticos podem reduzir os custos ambientais em até quatro vezes, quando comparados com alguns de seus eventuais substitutos, como o vidro, o papelão ou o alumínio. O cálculo do custo ambiental considera os impactos como o consumo de água e energia, as emissões de carbono na atmosfera e a contaminação do solo e dos mananciais. Fatores que geralmente não estão contemplados nas avaliações financeiras tradicionais.

Mas muitas das propriedades que tornaram o plástico essencial para a sociedade de consumo moderna, com utilidade em milhares de aplicações, também fizeram com que o material se constituísse uma ameaça ambiental. A atual edição da revista científica Science traz um suplemento especial sobre o dilema do plástico.

Segundo a ONU, o plástico é o maior desafio ambiental do século XXI. E os números impressionam: somente 9% de todo o plástico produzido até hoje foi reciclado; mais de 40% da produção dos últimos 150 anos foi usada apenas uma vez e depois descartada. Os alertas e relatos de uma variedade de materiais plásticos encontrados nos oceanos, muitas vezes no interior de animais marinhos, se multiplicam.

Não há dúvida de que o plástico é um material versátil, barato, flexível, moldável, resistente, que revolucionou a vida de toda a sociedade, trazendo muitos benefícios. A questão está no excesso e na forma como é usado, especialmente no que é chamado de uso único e em como é descartado. A dificuldade e o custo da reciclagem, somados ao fato de ser usado uma única vez, fazem do plástico um dos grandes vilões para a preservação ambiental.

Para os especialistas, os esforços para reciclar o plástico estão décadas atrás da eficiência na produção de plástico e, para frear significativamente o aumento dos resíduos plásticos acumulados no meio ambiente, os processos de reciclagem precisam ganhar competitividade em preço, qualidade e volume.

Até há alguns anos, a preocupação e as buscas por soluções se concentravam nos resíduos e na poluição dos oceanos. Porém, os plásticos são encontrados em todos os lugares, até mesmo em alguns órgãos do corpo humano que tenham precisado intervenções.

Por isso, as soluções precisam ser muito mais abrangentes, que considerem todo o ciclo de vida dos plásticos, desde a extração de matérias-primas até a poluição que causa. Somente com essa abordagem, será possível atingir a magnitude desse problema, com todos os seus impactos ambientais, sociais e econômicos.