DroneShow 2019 apresentou inovações e ideias para o futuro do setor

Esta semana, de 25 a 27 de junho, a cidade de São Paulo foi sede da 5ª edição do DroneShow. O maior evento de drones da América Latina foi realizado em conjunto com a 9ª edição do MundoGEO Connect e apresentou o tema “Drones e Geotecnologias na Indústria 4.0”. Voltado para profissionais do setor e gestores públicos e privados, o DroneShow 2019 demonstrou o crescimento do mercado de drones no Brasil, reflexo da ampliação do uso de drones no mundo e da regulamentação de 2017 pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

O evento contou com seminários, fóruns e cursos sobre o mercado e a regulamentação para se trabalhar com drones, discutiu seus usos para a agricultura, para o mapeamento do meio ambiente, abordou o empreendedorismo na prestação de serviços com drones e trouxe cursos práticos de montagem e configuração.

Uma das novidades mais comemoradas na feira foi a apresentação do Nauru 500C, o primeiro VTOL híbrido brasileiro, lançado em abril. O drone, equipado com a tecnologia VTOL (Vertical Take-Off and Landing) é capaz de decolar e pousar na vertical e conta com motores elétricos e um motor à combustão.

São Paulo investe no uso de drones

As áreas de saúde e segurança são as que mais têm investido no uso de drones.  No Brasil, em abril, o governo de São Paulo anunciou a compra de mais de 200 drones para uso em monitoramento de eventos e protestos, entre outras funções. E, este mês, o presidente Jair Bolsonaro declarou sua pretensão de enviar um projeto de lei ao Congresso Nacional para permitir o uso de drones em operações policiais.

Mas outras áreas já começam a se beneficiar da tecnologia: esta semana aconteceu a primeira entrega de comida realizada por drone na América Latina, em São Paulo. O serviço de delivery, que já vem sendo testado em outros países como Estados Unidos e Austrália, foi organizado por duas startups e autorizado pela Força Aérea Brasileira e pela ANAC . A operação foi considerada um sucesso pelos seus idealizadores.

Para Arie Halpern, especialista em tecnologias disruptivas, atualizar a regulamentação dos drones é uma necessidade urgente para que não se atravanque o progresso tecnológico do país – mas também envolve questões de privacidade e respeito aos cidadãos. “A cidade de São Paulo tem sido uma das mais inclinadas a utilizar drones em seu cotidiano, mas esbarra na necessidade de uma regulamentação mais atualizada e assertiva, principalmente em relação às questões de segurança”, afirma o executivo.