Energia limpa diretamente das plantas

O investimento mundial em energia renovável e eficiência energética caiu 7% no ano passado e deverá continuar em queda este ano, segundo o relatório da Agência Internacional de Energia divulgado nesta terça-feira (17). Um dos principais motivos para a queda nos investimentos é a decisão da China de cortar subsídios para novos projetos em geração, uma vez que o país responde por mais de 40% do investimento global em energia solar fotovoltaica.Apesar disso, algumas empresas continuam na busca por fontes alternativas e sustentáveis, como é o caso da empresa Plant-e,  que está apostando em um método diferente para gerar energia renovável: extrair o insumo diretamente das plantas. O mais interessante do método é que não há efeito negativo para a planta.

Os pesquisadores da empresa descobriram que durante o processo de fotossíntese, plantas produzem matéria orgânica que é enviada para o solo com a finalidade de alimentar suas raízes. Abaixo do solo, inúmeras bactérias consomem a matéria orgânica e, ao fazê-lo, liberam uma quantidade considerável de prótons e elétrons. Com a ajuda de um pequeno receptor que é fixado na terra ao lado da planta, estes elétrons e prótons podem ser captados para gerar energia elétrica.

A primeira experiência para testar o sistema está em funcionamento nos Países Baixos. No Instituto de Ecologia dos Países Baixos, foi instalado o primeiro “Telhado de Eletricidade Verde” do mundo. Em uma área de 15 metros quadrados, a Plant-e montou um jardim onde as raízes da planta ficam submersas na água, pois chegou-se a conclusão que submergir parte da planta acarretaria em um melhor aproveitamento de seu potencial energético. O pequeno terreno gera energia suficiente para carregar um celular.

Como o método mais indicado para a captação pressupõe que a base da planta esteja submersa, a tecnologia imediatamente tornou-se atrativa para países com pântanos ou plantações de arroz. Por coincidência, a maioria dos países com essas características geofísicas são os que apresentam baixo desenvolvimento.

 

Por quê? Caiu quanto?


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *