Escócia projeta rede de veículos autônomos operando até o fim do ano

Na virada do ano, as autoridades de transporte da Escócia apresentaram um ambicioso programa de implantação de uma rede de veículos conectados e autônomos no país (CAV, na sigla em inglês), que tem como objetivo torná-la pioneira nesse tipo de tecnologia em escala global. O programa lançado com o nome Roadmap For Scotland prevê que já em 2020 haverá uma frota de ônibus autônomos ligando Fife, de 360 mil habitantes, a Edimburgo, de 480 mil, através da Forth Road Bridge. O trajeto de aproximadamente 1h50 minutos atravessa uma ponte sobre o estuário do rio Forth.

O projeto foi anunciado como uma parceria entre a administração escocesa, o governo do Reino Unido e a iniciativa privada. A Transport Scotland, a autoridade de trânsito local, já concluiu um teste de sinalizadores na estrada capaz de transmitir mensagens para um aplicativo exibido em smartphones montados nos veículos. O teste foi bem sucedido, e envolveu o envio de informações estáticas direcionais do tempo de viagem ao passar o ponto na rede em que o equipamento foi instalado.

“Pela primeira vez temos uma data concreta e bem próxima para que um sistema de transporte rodoviário seja totalmente automatizado”, comemora o especialista em tencologias disruptivas Arie Halpern. Ele comenta ainda que as transformações proporcionadas por uma tecnologia como essa não se restringem apenas ao conforto das pessoas que estarão em um veículo, mas seus impactos serão sentidos em muitos aspectos do cotidiano: na segurança, na produtividade, nas possibilidades de interação entre pessoas e empresas. “Quando há uma revolução assim, apenas algum tempo depois teremos a verdadeira dimensão de como nossa vida será transformada”, completa Halpern.

Laboratório perfeito

De acordo com os especialistas na tecnologia de carros autônomos, a Escócia é um microcosmo perfeito para a implantação de um sistema pioneiro como o proposto. A rede de rodovias do país é muito diversa, incluindo autopistas modernas, estradas vicinais sinuosas, cidades industriais e centros urbanos milenares, com ruelas medievais. Com a perspectiva de que, até 2025, 95% dos veículos do Reino Unido estejam conectados, as perspectivas para que os avanços em direção automatizada sejam efetivos são muito concretos.

 

Com informações: Transport Scotland; Journal of Traffic and Transportation Engineering; BBC Tech; Stagecoach; Wikipedia.