Estudar sozinho ficou mais fácil

Nem todo mundo consegue ter força de vontade e método na hora de estudar, de modo a aproveitar integralmente e extrair o maior rendimento possível do tempo dedicado aos livros e às apostilas.  Para os que se sentem meio perdidos na hora de estudar ou revisar o conteúdo — sem ajuda do professor –, é possível recorrer à ajuda dos aplicativos.

Com o intuito de direcionar o aluno e oferecer um ambiente de estudos organizado e prático, o Google desenvolveu o myHomework Student Planner, uma aplicação do navegador Chrome que cria agendas e calendários para que o estudante possa organizar melhor a sua vida escolar. O aplicativo permite construir planos personalizados de estudo para cada matéria, respeitando o ritmo de cada estudante, com recursos que permitem a participação de professores para esclarecimento de dúvidas ou correção dos conteúdos.

Outra forma eficiente de organizar as ideias de maneira inovadora é por meio do app Simple Mind. Ele funciona como um criador de mapas de ideias, ajudando a armazenar anotações e lembretes, cruzando essas informações para gerar novas ideias. A ferramenta é ótima para trabalhos em grupo, pois permite desenvolver uma linha de raciocínio a partir de várias anotações. Com isso, ao estudar sozinho, o aluno consegue organizar seus pensamentos e até identificar erros de raciocínio.

Para aquelas pessoas que se atrapalham com anotações em cadernos ou folhas avulsas e anotações de colegas com letras indecifráveis, há uma ferramenta pode interessar. O aplicativo Office Lens, da Microsoft, transforma fotos de conteúdo escrito em textos editáveis e compartilháveis. Com essa ferramenta, até mesmo a foto de uma lousa cheia de conteúdo escrito pode virar um documento Word — mais fácil de armazenar e compartilhar.

Estes aplicativos chamam para si a responsabilidade de cuidar de toda a organização, permitindo que o aluno tenha condições de estudar em casa e, ainda assim, tirar dúvidas sobre o conteúdo. Eles complementam o que foi discutido e apresentado em sala de aula, sem tentar substituir o processo de aprendizagem pessoal.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *