Facebook desenvolve inteligência artificial capaz de entender memes

Os memes são a nova forma de se comunicar ao redor do mundo. Criativos, divertidos, impactantes, eles sumarizam ideias e frases de efeitos. Para entendê-los, O Facebook está desenvolvendo uma inteligência artificial (AI) capaz de escanear imagens e vídeos, identificando o conteúdo. O sistema, chamado Rosetta, pode extrair informações de um bilhão de imagens por dia, em 24 línguas diferentes.

Anunciado hoje no blog Facebook Code, o sistema opera em duas etapas: detecção e reconhecimento. Primeiro, são detectadas áreas retangulares que podem conter texto. Em seguida, utilizando a tecnologia de rede neural convolucional (CNN), o texto de cada retângulo é reconhecido e transcrito.

De acordo com a empresa, os avanços nessa área são fundamentais não apenas para dinamizar os fluxos de comunicação, mas também para conter a propagação de conteúdo ofensivo e discurso de ódio — muitas vezes “escondido” em imagens.

O site CNet afirma que Mark Zuckerberg já mencionou várias vezes que busca na AI uma forma de “limpar” o Facebook, agindo proativamente para detectar conteúdo ofensivo – ao invés de esperar as denúncias dos usuários. Mas, ao mesmo tempo em que a tecnologia está sendo desenvolvida, a empresa está contratando 20 mil moderadores humanos para analisar mensagens mal-intencionadas plataforma.

O empresário Arie Halpern, especialista em inovação e tecnologias disruptivas, destaca a importância que a inteligência artificial vem adquirindo nos últimos anos, com significativos avanços nos processos de reconhecimento de conteúdos e cruzamento de informações. Mas alerta: “a sociedade precisa acompanhar com atenção esses avanços tecnológicos porque eles podem impactar nosso acesso a diferentes tipos de conteúdo. Precisamos, sim, coibir o discurso de ódio, mas não podemos abrir mão da nossa liberdade de informações nem delegar às máquinas o papel de decidir quais informações devemos ver. Essa é uma questão que ultrapassa a tecnologia”.

Saiba mais: Veja o paper apresentado pela equipe do Facebook no KDD 2018.
Saiba mais: Inteligência artificial na música provoca debate
Saiba mais: Intel quer acelerar inteligência artificial com chip que imita cérebro


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *