Fazenda usa apenas sol e água do mar para cultivar vegetais no deserto

A Sundrop é resultado de seis anos de trabalho de um grupo internacional de cientistas. (Fonte: News Scientist)

A Sundrop é resultado de seis anos de trabalho de um grupo internacional de cientistas. (Fonte: News Scientist)

Uma fazenda localizada no deserto do sul da Austrália utiliza apenas sol e água do mar para produzir até 17 toneladas de tomate por ano. O método dispensa o uso de pesticidas, combustíveis fósseis ou água subterrânea, muito utilizados hoje na agricultura. Segundo o portal News Scientist, a fazenda Sundrop está abrindo portas para a agricultura do futuro, principalmente com o crescimento da demanda por água e energia.

A Sundrop é resultado de seis anos de trabalho de um grupo internacional de cientistas. A primeira etapa do projeto foi a construção de uma estufa em 2010. A construção da fazenda em escala comercial começou em 2014 e terminou esta semana.

O portal ABC News explica que o espaço de 20 hectares conta com mais de 23 mil placas solares para capturar energia, que é utilizada para eletricidade, aquecimento e também no tratamento da água. O líquido para irrigação vem do mar do Golf Spencer, localizado a dois quilômetros da fazenda. Além de regar as plantas, a água também purifica o ar, aumenta a qualidade da colheita.

Apesar da geração de energia solar, a Sundrop fica ligada a uma rede de energia caso haja falhas no sistema e para ser usada durante o inverno, em que a quantidade de energia solar captada diminui. A infraestrutura da fazenda custou aproximadamente US$200 milhões, mas, segundo o CEO Philipp Saumweber, o investimento a longo prazo compensa, já que o sistema não necessita de combustíveis fósseis para funcionar.

“Estes sistemas de produção fechados são muito inteligentes”, diz Robert Park, pesquisador da Universidade de Sydney, Austrália. “Acredito que os sistemas que utilizam fontes de energia renováveis se tornarão cada vez melhores e aumentarão no futuro, contribuindo ainda mais para a produção de nossos alimentos.”


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *