Gerador acende cem lâmpadas com uma gota d’água

A divulgação de um equipamento desenvolvido por pesquisadores da Universidade da Cidade de Hong Kong (CityU) causou uma grande expectativa entre engenheiros, economistas e ambientalistas. Os desenvolvedores apresentaram um modelo de gerador de eletricidade capaz de produzir 140V, o suficiente para acender cem microlâmpadas de LED, captando a energia cinética de uma única gota d’água despejada de uma altura de 15 cm. O artigo foi publicado na revista Nature, a mais importante publicação científica do mundo.

O gerador usa uma estrutura do tipo Transístor de Efeito de Campo (FET, na sigla em inglês), que se mostrou milhares de vezes mais eficiente do que outros equipamentos que anteriormente buscaram um efeito semelhante. Embora 70% da Terra sejam cobertas por água, a energia cinética de baixa frequência contida em ondas, marés ou até mesmo gotas de chuva, não era convertida de maneira eficiente em eletricidade, o que impedia seu aproveitamento econômico.

“Com essa notícia, temos uma abertura fantástica para novas possibilidades de geração de energia, já que a água está em toda parte e – como foi comprovado – uma pequena quantidade desprendida de pouca altura é capaz de ser capturada”, diz o especialista em tecnologias disruptivas Arie Halpern. “No futuro, podemos imaginar esses dispositivos nos telhados das casas, captando energia das chuvas, ou mesmo complementando a captação de energia hidráulica em rios e mares, em dispositivos já instalados, ajudando a criar um sistema muito mais sustentável”, avalia Halpern.

Técnica simples

Os especialistas consideram que a técnica demonstrada é relativamente simples, e pode ser replicada sem muitas dificuldades técnicas. O dispositivo consiste em um eletrodo de alumínio e um eletrodo de óxido de índio (o elemento químico In) e estanho, com uma película do tipo transístor de efeito de campo colocada sobre ele. Quando uma gota d’água cai e se espalha na superfície, ela “liga” naturalmente os eletrodos, convertendo o sistema original de um circuito elétrico aberto para um circuito fechado.

Com informações: Universidade da Cidade de Hong Kong (CityU); Phys; Fatec/Etec; Nature.