Gigantes inteligentes: maiores navios de contêineres já feitos são lançados na Coreia

Para imaginar a proporção desses navios, é preciso apelar a comparações. São quatro campos de futebol. A distância da popa à proa seria percorrida em aproximadamente 10 minutos de caminhada. A comparação feita pela própria indústria que os construiu é um pouco mais curiosa: ele é capaz de transportar 7 bilhões de bolinhos de chocolate, um lanche popular na Coreia do Sul, onde ficam as docas que os lançaram. Seria o suficiente para prover com um desses petiscos cada ser humano do planeta Terra em uma única viagem. A Samsung Heavy Industries prepara neste momento o lançamento do décimo segundo dessa família de navios, o HMM St. Petesburg, na ilha de Geoje, no extremo sul do país. O primeiro deles está navegando desde abril.

Além do gigantismo, a tecnologia embarcada é um dos trunfos desta frota. Graças a sistemas de controle espalhados por todos os ambientes em conexões ultrarrápidas, uma tripulação bastante modesta, de apenas 23 pessoas, é suficiente para levá-los em viagens transoceânicas, a uma velocidade de 40 quilômetros por hora. Em um único dia, eles seriam capazes de fazer uma viagem de ida e volta entre o Rio de Janeiro e Santos, os dois maiores portos brasileiros.

“A tendência de se produzir esses navios gigantescos deve continuar nos próximos anos, sempre impulsionada pelos sistemas tecnológicos de navegação e de controle, que os tornam capazes de ser operados com um pequeno número de pessoas”, avalia o especialista em tecnologias disruptivas Arie Halpern. Ainda segundo o especialista, o investimento na tecnologia embarcada torna os navios competitivos, diluindo ao longo do tempo os custos de produção, na casa de US$ 150 milhões.

Renascimento coreano

Essa frota está sendo considerada pelo setor como um marco para o renascimento da indústria naval coreana, que sempre havia se mostrado bastante competitiva, mas, nos últimos anos, vinha sofrendo com a concorrência dos vizinhos chineses. A aposta é que um navio com tal capacidade de carga, capaz de fazer uma excursão aos portos da Europa e voltar à Ásia em 12 semanas, represente um novo marco no comércio global.

 

Com informações: Samsumg Heavy Industries; Phys, Governo da República da Coreia; Agência Xinhua.