Google DeepMind faz parceria com o NHS para lutar contra a cegueira

Google DeepMind quer usar AI para identificar doenças

Google DeepMind quer usar AI para identificar doenças

O Google DeepMind, empresa do Google que estuda inteligência artificial (IA), fez uma parceria com o Serviço Nacional de Saúde (NHS) do Reino Unido com o objetivo de utilizar o “aprendizado de máquina”, uma das vertentes de estudos da inteligência artificial, como forma de curar a cegueira. Os cientistas planejam criar uma AI que seja capaz de reconhecer condições que ameaçam a saúde da visão através de um escaneamento digital dos olhos do paciente. As informações são do jornal “The Guardian”.

A colaboração é a segunda realizada entre a NHS e o DeepMind, mas o cofundador do DeepMind, Mustafa Suleyman, disse que esta é a primeira vez que a companhia faz uma parceria voltada completamente para a pesquisa médica. A outra parceria realizada entre as empresas é focada em direcionar os cuidados do paciente utilizando um serviço de aplicativo para smartphone chamado Streams. No caso da nova parceria, é a primeira vez que o Google utiliza o aprendizado de máquina em um projeto de saúde. Os pesquisadores do DeepMind usarão milhares de escaneamentos digitais de olhos para criar um algoritmo que permita identificar problemas de visão como degeneração e retinopatia diabética.

Há muito em jogo, principalmente no caso da retinopatia diabética”, disse Suleyman ao “The Guardian”. “Se você é diabético,tem 25 vezes mais chances de ficar cego. Nós podemos detectar isso precocemente e, em 98% dos casos mais severos, previnir a perda da visão”. O treinamento de uma rede neural para fazer a avaliação de exames oculares poderia aumentar consideravelmente a velocidade e a precisão do diagnóstico, com o potencial de salvar a visão de milhares de pessoas.

As companhias receberam permissão para acessar o banco de dados de escaneamento digital de olhos por meio de um acordo de colaboração com o Hospital de Olhos Moorfield, e publicaram um protocolo de pesquisa, prática padrão para estudos médicos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *