IA acelera descoberta de novas moléculas para tratamento de doenças

A descoberta de moléculas que podem ser usadas em drogas para salvar vidas cresceu exponencialmente com a possibilidade de uso de inteligência artificial e aprendizado de máquina. Eles possibilitam explorar grandes bancos de dados de moléculas e suas propriedades, acelerando e diminuindo os custos para a descoberta de potenciais medicamentos. Até recentemente, isso era feito usando algoritmos genéticos ou juntando moléculas menores para formar outras maiores.

Em setembro, uma equipe de pesquisadores da Insilico Medicine, de Hong Kong, juntamente com pesquisadores da Universidade de Toronto, identificaram, em 21 dias, cerca de 30.000 novas moléculas que têm ação numa proteína ligada à fibrose (cicatrização de tecidos). Seis delas foram sintetizadas em laboratório e duas, testadas em células. Os pesquisadores concluíram que elas agiam contra a proteína e poderiam ser usadas como medicamento. O processo todo levou apenas 46 dias e os resultados foram publicados na revista “Nature Biotechnology”.

Processo mais rápido

O processo é muito similar ao que é feito por químicos, mas muitas vezes mais rápido. O sistema analisa pesquisas anteriores e patentes de moléculas já conhecidas por atuarem no alvo da doença a ser tratada, buscando identificar novas estruturas que possam ser sintetizadas em laboratório. Especialista em tecnologias disruptivas, Arie Halpern ressalta que “a pesquisa em grandes bases de dados ainda está sendo aprimorada, mas já é responsável por novos tratamento que irão salvar milhares de vidas”.

Avanços significativos também vêm sendo obtidos em pesquisas em grandes bancos de moléculas pela britânica BenevolentAI e pelas americanas Kebotix e Atomwise, essa última na descoberta de terapias para doenças como malária e tuberculose.

Para os químicos que pesquisam novas possibilidades de drogas, descobrir uma molécula que atue estimulando ou inibindo o foco de suas pesquisas é um talento desenvolvido e aprimorado durante anos de experiência e que exige intuição aguçada. O uso de inteligência artificial e aprendizado de máquina faz com que eles consigam fazer isso com mais agilidade, ampliando as fronteiras.