Interface cérebro-máquina: startup de Elon Musk anuncia lançamento de equipamento

O anúncio de um novo gadget capaz de dar um salto na interação entre humanos e máquinas está causando uma grande expectativa na indústria tecnológica de ponta da costa oeste dos Estados Unidos.  De acordo com um twitt da startup Neuralink, a divulgação desse equipamento vai ocorrer nesta terça-feira, dia 16 de julho, na sua sede em São Francisco, Califórnia. Suas características têm sido mantidas em sigilo, e a especulação dos jornalistas especializados se dá em torno daquilo que seria possível esperar pelo desenvolvimento tecnológico até agora conhecido de empresas que são associadas à Neuralink. Além disso, eles recorrem a pequenas pistas e dados de entrevistas concedidas no passado por Elon Musk, um dos investidores da startup. Essas frágeis indicações até agora apontam que um pequeno dispositivo poderá ser conectado diretamente ao cérebro por meio de um procedimento cirúrgico, transmitindo as informações geradas nos processos biológicos neurais diretamente a um computador.

Essa aura de mistério, que promete começar a ser desfeita a partir do anúncio, só cresceu durante os últimos anos. Criada em 2016 como uma empresa de pesquisa médica, a Neuralink é consideada pelos especialistas uma das mais discretas de Musk, mais conhecido por ser o CEO da Tesla; a maior parte das pessoas sequer sabe de sua existência. O perfil ativo e entusiasmado diante de outros projetos de suas equipes, participando ativamente do debate público, tornou Musk o rosto mais conhecido da pesquisa privada em novas tecnologias dos Estados Unidos. No entanto, quando se trata da Neuralink, ele sempre foi muito mais reservado, aumentando a curiosidade das poucas pessoas que conheciam o trabalho da startup.

O time da Neuralink é composto por neurocientistas e engenheiros de computação, que foram recrutados com o objetivo declarado de colocar em prática uma nova tecnologia capaz de uma interação eficiente em ultra banda larga. Como é característica das empresas ligadas a Elon Musk, os convites para participar dessa equipe enfatizavam mais a vontade e o potencial de realização do que propriamente a experiência prévia no mundo acadêmico.

“Ainda temos que esperar mais um pouco para saber o que a Neuralink está preparando em seus laboratórios, mas, de qualquer forma, a expectativa se torna muito grande toda vez que há o anúncio de mais um passo nessa área crítica, que está na ponta do desenvolvimento tecnológico de dois campos como a neurociência e a engenharia de comunicação”, diz Arie Halpern, especialista em tecnologias disruptivas. Ele faz um paralelo com os livros e filmes de ficção científica, que, muitas vezes, apontam os avanços que irão de fato ser realizados nos anos seguintes: “A ficção promove os sonhos da humanidade, mas não quer dizer que todos sejam irrealizáveis; muitas vezes podem servir de inspiração para inovações que em breve estarão num horizonte de possibilidades”, completa.

Mão artificial

Enquanto o mundo aguarda os resultados na Neuralink, a pesquisa de interações entre humanos e máquinas dá outros passos importantes em uma série de laboratórios renomados. A última novidade promissora saiu de um time de pesquisadores japoneses, da Universidade de Kobe, que divulgou o resultado positivo de uma pesquisa sobre uma mão artificial controlada mentalmente que pode ajudar pessoas amputadas. Justamente o desafio do desenvolvimento de um equipamento desse tipo é lidar com uma parte do corpo humano muito complexa, repleta de ligações musculares e terminações nervosas. A pesquisa saiu publicada no último número da prestigiosa revista Science Robotics.  A equipe descobriu que as mãos protéticas mioelétricas têm a possibilidade de implementar controles intuitivos baseados nos sinais de eletromiograma (EMG) do cérebro do operador. Os japoneses criaram uma mão protética impressa em 3D e um sistema de controle associado. Os testes, feitos em seis participantes saudáveis e um participante amputado de membros superiores, obteve sucesso em realizar tarefas com alto grau de precisão.