IPT lança dispositivo para monitoramento do setor ferroviário

Setor ferroviário ganha dispositivo de monitoramento de dados (Fonte: IPT)

Setor ferroviário ganha dispositivo de monitoramento de dados (Fonte: IPT)

O Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) do Brasil, em parceria com a empresa brasileira Lynx Tecnologia, lançou um dispositvo para coletar dados de desempenho de trens e vias ferroviárias, que é acoplado ao vagão ou a locomotiva. Em produção desde 2008, o aparelho faz a coleta de dados, disponibilizando-os aos pesquisadores responsáveis pelo processamento das informações.

Segundo o site do IPT, o dispositivo funciona como um modem e “é colocado dentro de uma embalagem de aço parecida com uma caixa de sapatos e, posteriormente, acoplado embaixo dos vagões para a coleta dos dados. Em trens grandes (alguns chegam a quatro quilômetros), mais de um equipamento pode ser instalado, permitindo que as medições sejam feitas em pontos diferentes”. O método utilizado atualmente exige um grande número de técnicos e pesquisadores, além de equipamentos de vários tipos, para dar conta da coleta de informações. O uso do dispositivo reduziria o tempo e as dificuldades da atividade.

Entre os dados que podem ser coletados estão a temperatura das rodas, aceleração, pressão dos feios e correntes elétricas nos geradores das locomotivas. De posse dessas informações, as operadoras dos trens podem planejar melhor o transporte, diminuindo o tempo de entrega de mercadorias ou desafogando a malha disponível. Cada aparelho instalado pode coletar informações por meses.

“Antes, demorávamos meses para fornecer as informações aos clientes. Enviávamos diversos relatórios que demoravam outros meses para compreender. Agora é questão de dias para termos os dados em mãos e, assim, enviarmos relatórios semanais ou quinzenais. Com isso, os clientes planejam os ensaios seguintes com base nos que eles já possuem. Foi uma mudança de paradigma”, explica o pesquisador João Carlos Sávio Cordeiro, do Laboratório de Equipamentos Mecânicos e Estruturas do IPT.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *