NASA lança satélite para procurar planetas semelhantes à Terra

Na noite desta segunda-feira (16), a NASA realizou o lançamento de um novo satélite para vasculhar o universo. É um sucessor do célebre telescópio espacial Kepler, responsável pela descoberta de pelo menos 3500 exoplanetas nos últimos 20 anos.

Apelidado de TESS – sigla em inglês para Transiting Exoplanet Survey Satellite, ou Satélite para Levantamento de Exoplanetas em Trânsito -, o satélite tem como missão a exploração de outros sistemas solares para identificar planetas parecidos com o nosso.

A missão deve durar dois anos. Mas só no final de 2018 é que as primeiras imagens capturadas pelo telescópio deverão começar a chegar. Além da agência americana, também fazem parte do projeto TESS cientistas portugueses da Universidade do Porto e o empresário Elon Musk, que concedeu o foguete Falcon 9 para o impulsionar o satélite ao espaço.

Leia mais: A conquista do universo e o dia a dia aqui na Terra

Segundo os pesquisadores, a expectativa é que o TESS registre mais de 200 mil estrelas e ajude a confirmar a existência de cerca de 500 exoplanetas do tamanho da Terra em zonas consideradas habitáveis, ou seja, onde é possível encontrar água em estado líquido.

O satélite é equipado com painéis solares e quatro câmeras especiais CCD de grande campo, com 16,8 megapixels cada, capazes de rastrear 85% do céu com um método de detecção chamado fotometria de trânsito. A técnica consiste em monitorar quedas periódicas e repetitivas na luz emitida por estrelas, causadas por planetas que passam à sua frente. A variação de brilho evidencia possíveis astros não descobertos.

Somando-se o projeto, a confecção e o lançamento do TESS, a NASA desembolsou 337 milhões de dólares, cerca de 1,15 bilhão de reais. A NASA disponibilizou o lançamento ao vivo do satélite pelo seu canal no Youtube.

Segundo Arie Halpern, economista e empreendedor com foco em inovação e tecnologias disruptivas, a compreensão de aspectos físicos de outros planetas é primordial para que possamos entender melhor o nosso próprio planeta e a relação que devemos ter com nossa fauna e flora.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *