O futuro da impressão

impressora3d

Capaz de fabricar casas, prédios, roupas, comidas e até mesmo órgãos, as impressoras 3D fazem muito mais do que imprimir: camada por camada, elas constroem. Atualmente, muito se tem falado sobre elas. Seja nos ambientes educacional, de saúde, de esporte ou de tecnologia, as impressoras 3D estão revolucionando a técnica de impressão, criando maneiras para que, em um futuro próximo, bens de consumo e industriais possam ser produzidos dentro da casa de todas as pessoas. Algo que significará uma verdadeira manufatura versátil e digital.

Inventada pelo norte-americano Chuck Hull em 1984, a primeira impressora 3D, para funcionar, utilizava a estereolitografia, tecnologia de prototipagem rápida para produção de partes de alta precisão e finalização de superfícies. Em 32 anos, muito se avançou nesse campo, mercadologica e tecnicamente falando. Na década de 90, quem desejasse ter uma dessas impressoras deveria desembolsar algo em torno de um milhão de dólares; hoje já se fala que, em breve, elas estarão nas casas das pessoas em substituição às impressoras tradicionais. Para Rick Smith, empreendedor do ramo, a chegada da tecnologia das impressoras 3D nos domicílios impactará profundamente os processos de produção que conhecemos atualmente, e essa adesão influenciará diretamente as nossas necessidades, que, para o empreendedor, se tornarão mais eficientes e até mesmo mais econômicas.

Da área da saúde à musical, as impressoras 3D possuem a fórmula da inovação. Na saúde, um grande avanço relacionado à medicina regenerativa, liderado por cientistas norte-americanos, foi o transplante de partes humanas artificiais, criadas na impressora 3D, em animais. Estendendo-se para outras vertentes da saúde, uma startup inglesa chamada Open Bionics utilizou a tecnologia 3D, e, em menos de 48 horas, criou próteses robotizadas. Ainda que o usuário não consiga sentir o que toca, ele é capaz de detectar e mediar os movimentos da prótese. Na música, um professor neozelandês produziu um saxofone, guitarras elétricas e até mesmo uma bateria em uma impressora tridimensional.

Comidas, carros, tênis, roupas, móveis e casas também estão na lista de itens formulados com sucesso pelas impressoras 3D. E ainda há muito mais para se explorar. Com a impressão de grandes ou pequenos objetos, as impressoras tridimensionais, em breve, começarão a mudar a forma como nos relacionamos com os objetos. Especialistas fazem até previsões em relação às impressoras em 4D. Com essa nova tecnologia, um objeto impresso em impressora 3D poderá mudar de forma quando entrar em contato com alguma mudança (como temperatura ou umidade). Enquanto a impressão 4D não chega, presenciaremos a impressão tridimensional conquistar seu espaço nas residências, reinventando a produção e o consumo em escala global.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *