O futuro do acesso à internet

internetofthings

Antes do “olá”, se pede a senha do Wi-fi. Nos dias de hoje, muitos lugares públicos e privados oferecem a internet sem fio. Mas, ainda que o Wi-fi seja uma solução que decodifique e emita os sinais da internet com precisão, velocidade e segurança ainda são itens tidos como “fracos” na hora de pensar em possíveis evoluções de conexão e acesso à internet. O ponto positivo é que não precisaremos estacionar nessa conexão, afinal, sempre existirão cérebros por todo o mundo focados em resolver e transformar as tecnologias atuais.

É o caso de uma equipe da Northwestern University, que criou o Wi-FM, uma solução que pretende melhorar o sinal da internet sem fio. Ao utilizar modulação em frequência – responsável por proporcionar uma boa qualidade de som, por exemplo –, os dados são transmitidos e recebidos quando há menor risco de interferência externa. Ainda que não esteja disponível comercialmente, a amplitude de sua conexão faz com que a rede não sofra tanta influência de conexões vizinhas, mantendo-se estável e melhorando o sinal em até 50%.

O upgrade, que promete resolver os problemas de interrupção, é promissor, mas será suficiente para cumprir as demandas e preocupações em relação à segurança e velocidade? Com a intenção de transformar totalmente o sistema utilizado e atender a essa carência, já está em fase de testes na Estônia a Li-fi, uma tecnologia de transmissão da rede de internet que utiliza ondas de luz como sistema de conexão. Criada em 2011 pelo professor Harald Haas, da Universidade de Edimburgo, na Escócia, a técnica possui uma velocidade comprovadamente superior ao Wi-fi, operando 100 vezes mais rapidamente do que o Wi-fi tradicional (10 Mbps). A tecnologia, porém, ainda esbarra em entraves, uma vez que, como sabemos, ondas de luz não podem transpassar paredes, o que dificulta o uso da Li-fi em domicílios e locais fechados. Mas, ao mesmo tempo, isso pode ser um ponto positivo, porque manterá a rede “dentro das paredes”, dificultando a ação de possíveis hackers.

O fato é que estamos caminhando para uma sociedade cada vez mais conectada. Basta olhar a ascensão da Internet das Coisas e o pedido por conectividade vindo de todos os lados. Para que essa evolução tenha sucesso pleno, as redes e conexões, que são a base da nova sociedade que se forma, precisam acompanhar e sustentar essas mudanças, tendo capacidade para manter objetos e eletrônicos conectados com qualidade. Não há como resistir, o acesso à internet estará em constante mudança para sustentar ainda mais o novo formato social, pluralmente conectado, que anseia por mais velocidade, maior segurança e extrema facilidade.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *