O papel da metrologia na Rio 2016, segundo Arie Halpern

Para Arie Halpern, a metrologia é essencial para os Jogos modernos

Para Arie Halpern, a metrologia é essencial para os Jogos modernos

A Rio 2016 revelou atletas mais rápidos, fortes e completos. É preciso muita precisão para se identificar as menores diferenças nos resultados e determinar o vencedor das provas. Uma ciência específica é aliada nesses cálculos: a metrologia. “Hoje, as competições de natação e de corrida são decididas por décimos de segundo”, comenta Arie Halpern, economista e empreendedor com foco em inovação e tecnologias disruptivas. “Para poder identificar essas diferenças, é necessário um sistema muito preciso de medição”.

Entre os equipamentos usados nas Olimpíadas, os cronômetros, os medidores de velocidade, os sensores, os supercomputadores e os lasers. A metrologia é tão importante para os esportes que o Instituto de Pesquisas Tecnológicas fez uma pesquisa intitulado “Olimpíadas e Metrologia”, publicada em seu site.

Um aspecto interessante da metrologia na Rio 2016, segundo Arie Halpern, é que ela garante que os julgamentos das provas sejam justos. “Antes do uso dos cronômetros nas provas olímpicas, eram necessários três juízes nas provas de natação para determinar a ordem de chegada dos atletas. Dá para imaginar que esse tipo de medição era suscetível a muitos erros”, diz ele. No início, os cronômetros eram manuais mas, com o tempo e o avanço dessa tecnologia, foram substituídos por câmeras de alta qualidade e marcadores de tempo eletrônicos.

Nesta edição das Olimpíadas no Brasil, a Omega, responsável oficial por todas as medições das Olimpíadas, desde 1932, estreou sua câmera Scan-O-Vision, utilizada na chegada das provas e capaz de tirar 10 mil fotos digitais por segundo e acabar com qualquer dúvida sobre os resultados.

O touchpad é outra inovação da Omega, que surgiu para esclarecer os resultados mais difíceis do mundo dos jogos profissionais. Adicionado nas competições de natação pela primeira vez nos Jogos Pan-Americanos de 1967 e depois nos Jogos Olímpicos de 1968, o dispositivo fica ligado à parede da piscina e reconhece quando é tocado por um atleta, marcando o tempo do cronômetro. Após provar sua eficiência, o touchpad se tornou a forma primária de decisão nas disputas de nado.

O momento da largada dos atletas é outro momento com o qual se deve ter muito cuidado, já que em competições que podem durar menos de 10 segundos é de extrema importância que todos os competidores saiam juntos de suas marcas. “O tempo de propagação do som é levado em consideração por esses medidores”, explica Arie Halpern. “A pistola moderna usada para dar a largada em corridas é posicionada de forma equidistante de todos os corredores, prevenindo que algum competidor ouça o tiro de largada antes, mesmo que por apenas um milissegundo.” Outro equipamento usado no atletismo é o lasers, cuja função é garantir que nenhum atleta queime a largada.


Comentários

O papel da metrologia na Rio 2016, segundo Arie Halpern — 1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *