O papel da tecnologia na distribuição de água potável

Um dos assuntos mais discutidos no Fórum Mundial da Água, evento que está em sua 8ª edição, é a questão da escassez desse recurso tão essencial para a vida na Terra. Segundo relatório da ONU, daqui a 10 anos, mais de 2 bilhões de pessoas sofrerão com a falta dela ou viverão em regiões onde há estresse hídrico – menos de 1.700 m³ de água por habitante.  Para frear a escassez de água, diversas empresas estão apostando na combinação de criatividade com tecnologia.

Os mares cobrem mais de 70% do planeta e contêm mais de 97% de toda a água da Terra. Portanto, retirar o sal da água é um dos processos mais difundidos no mundo, mas é um processo caro: a  dessalinização exige muita energia das usinas, o que encarece o custo da água, tornando o processo praticamente inacessível aos países de terceiro mundo.

Como alternativa, a Trevy Systems, empresa norte-americana de tecnologias voltadas para a limpeza fluvial, desenvolveu uma solução inovadora para dessalificar a água com um consumo muito menor de energia. Por meio de uma membrana especial, moléculas de água são filtradas do sal e de impurezas, gastando apenas ¼ da energia necessária à dessalinização convencional. O baixo consumo energético permite que o processo seja feito com energia renovável e o sistema móvel ainda pode ser usado para propósitos de limpeza, como em casos de vazamento de óleo.

Água limpa no terceiro mundo

Cada vez mais, a ciência busca soluções econômicas e portáteis para que qualquer pessoa possa ter água potável, sobretudo nas regiões que mais sofrem com a escassez hídrica.Com baixíssimo custo, cientistas da Universidade Cranfield, na Inglaterra, desenvolveram uma privada especial para casas sem água corrente. O equipamento recolhe os dejetos e os deposita em uma câmara especial, hermeticamente selada. Lá dentro, o material sólido é separado dos resíduos líquidos, que são filtrados por feixes de membrana. A água filtrada passa por um processo de condensação, através de nano membranas que retiram todos os agentes patogênicos restantes. O resultado final é água limpa, que pode ser usada para regar plantas e limpar a casa.

Outros processos mais simples – e baratos – também foram criados para países subsaarianos, com elevados índices de pobreza. O LifeStraw é um canudo similar a um charuto que filtra a água na hora, livrando-a de quaisquer doenças presentes no líquido. Sua praticidade e custo baixo conferiram ao produto a qualificação de Design Humanitário.

Consumo inteligente

Com a promessa de diminuir drasticamente as contas de água dos norte-americanos, a empresa americana Hunter Irrigation desenvolveu oSolarSync, um sistema inteligente que sincroniza irrigadores de plantas. O dispositivo avalia condições climáticas, como a umidade relativa do ar e o índice de raios ultravioleta, para determinar o volume de água a ser aplicado na irrigação de uma área qualquer. Além de deixar a grama com um aspecto mais saudável, o SolarSync economiza até 30% da água utilizada no processo.

Novas tecnologias permitem aliar a economia de água à praticidade dos aparelhos, estimulando o consumo consciente. Como a água doce representa apenas 1% do volume hídrico terrestre, há espaço de sobra para novos produtos que nos auxiliem nessa tarefa.

 

Publicado em Reflexões Tagged , , Link Permanente

Sobre Arie Halpern

Arie Halpern é um economista e empresário com vocação para inovações. Criou empresas alinhadas ao conceito de tecnologia disruptiva, como a CTF Technologies, e atualmente é diretor da irlandesa Tonisity, que desenvolveu uma tecnologia inovadora em nutrição e bem estar de porquinhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *