Os dez produtos mais inovadores do ano, segundo Arie Halpern

Tatuagem "smart" serve como touchscreen (Imagem de divulgação)

Tatuagem do MIT é um dos produtos mais inovadores do ano, segundo Arie Halpern

A tecnologia dominou o lançamento de produtos em 2016. Alguns deles ainda estão em fase de testes, mas muitos já chegaram ao público. A consolidação das  startups como empresas viáveis e a popularização dos sistemas de crowdfunding foram fundamentais para o surgimento de inúmeros produtos inovadores este ano, segundo Arie Halpern, economista e empreendedor com foco em inovação e tecnologias disruptivas. “Com esses avanços, os usuários conseguem participar mais do processo de criação de novos produtos, sinalizando para as empresas que tipo de inovações estão procurando”, diz. Para fechar o ano, o blog Disruptivas e Conectadas fez uma lista dos dez produtos mais inovadores do ano, segundo Arie Halpern

 

EcoHelmet

Este capacete desenvolvido para ciclistas é feito de papel dobrável e proporciona a mesma proteção oferecida por um capacete de plástico padrão. É reciclável e custa apenas US$ 5, o que o torna perfeito para ser distribuído junto com bicicletas nos postos de time sharing, hoje adotados em diversas cidades do mundo.  O ponto negativo é que o capacete estraga mais rapidamente. “Com a troca dos carros por transportes menos poluentes, a bicicleta se tornou um dos meios favoritos de locomoção das pessoas”, diz Arie Halpern. “Explorar esse nicho e torná-lo mais seguro é uma aposta quase certa para startups.”

 

Telhas solares da Tesla

As novas telhas solares da Tesla armazenam energia como painéis solares padrão, com a vantagem de terem um  design muito mais agradável. As instalações custam o mesmo que as de telhas normais, e as células fotovoltaicas operam com 98% da eficiência dos painéis solares padrões. Segundo Elon Musk, CEO da Tesla, os custos de instalação, manutenção e frete das telhas solares são menores do que as telhas convencionais, fazendo com que os usuários economizem antes mesmo de começar a produzir sua própria energia.

 

Tatuagem Duoskin

O sucesso dos wearables está indo muito além de roupas e peças de acessórios. A Microsoft e pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT) desenvolveram uma tatuagem temporária feita de folhas de ouro que contêm microplaquetas minúsculas usadas em computadores, o que a torna capaz de armazenar dados e controlar outros dispositivos, como smartphones. Para Arie Halpern, esse tipo de tecnologia, conectada não só às roupas, mas à nossa própria pele, tem espaço para crescer nos próximos anos, caso se mostre segura para os usuários.

 

Amazon Echo

Na onda dos assistentes virtuais inteligentes, a Amazon investiu este ano no lançamento do Amazon Echo, um assistente voltado para a casa, capaz de interagir com o usuário através da fala como se fosse um ser humano. O objeto é pequeno, no formato de uma torre cilíndrica, e pode ser facilmente confundido com um objeto de decoração. Com uma conexão à internet, ela responde a diversos comandos, como colocar músicas para tocar ou adicionar itens a uma lista de compras, além de comprar produtos diretamente no site da Amazon.

 

Boomy McBoomface

Uma inovação de limpeza oceânica, após cinco anos de pesquisa, se tornou uma realidade em 2016. O primeiro protótipo de uma máquina flutuante capaz de limpar o oceano foi apresentada pelo empresário holandês Boyan Slat há 17 anos, mas só agora virou  realidade, graças a um acordo de US$ 10 milhões. Chamado de Boomy McBoomface, o dispositivo flutua ao longo de uma costa e cria um litoral artificial, pegando detritos na superfície do oceano. Um transportador levanta o lixo em uma torre central, onde é classificado para a eliminação e reciclagem. “A preocupação com o meio ambiente sempre existiu, mas os avanços tecnológicos estão tornando possível criar dispositivos que não eram viáveis antigamente, como neste caso”, diz Arie Halpern.

 

Testes para Zika

A epidemia de Zika, que se estendeu entre 2015 e 2016, fez com que diversos pesquisadores trabalhassem para buscar  a cura ou prevenção da doença. Uma das inovações para sair do surto foi um teste de Zika de baixo custo criado por pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT). Enquanto testes tradicionais podem levar dias, o teste do MIT leva apenas três horas. Feito com base em papel, ele apresenta uma série de pontos roxos que ficam amarelos quando expostos a amostras de sangue contendo o vírus e o custo para cada teste é de apenas US$ 1.

 

Liftware

Novos utensílios robóticos estão ajudando as pessoas com mobilidade limitada a recuperar a independência durante as refeições. Uma delas é uma linha de talheres chamada Liftware, projetada para ajudar pessoas com tremores de mão, alcance limitado e outras condições de mobilidade. Sua tecnologia consegue balancear os tremores do usuário, fazendo com que o talher fique estável o suficiente para que o usuário se alimente sem derramar sua comida e sem precisar da ajuda de outra pessoa.

 

Pneus Goodyear

Enquanto as empresas correm para desenvolver carros autônomos, a Goodyear está reinventando a roda. Seu conceito de pneu esférico permite que os carros se movam em qualquer direção, incluindo lateralmente em um espaço de estacionamento paralelo e em ângulos e velocidades específicas para neutralizar superfícies escorregadias. A chave, segundo a empresa, é a levitação magnética: enquanto os pneus tradicionais são aparafusados aos carros, os novos ficam por baixo dos carros, conectados por atração magnética. Para Arie Halpern, os pneus não devem chegar logo ao público, porque é necessário um período de adaptação para que as pessoas passem a se interessar pelo produto.

 

Iko

As próteses, em sua maioria, são feitas para serem práticas em situações cotidianas e no trabalho, mas elas também são fabricadas pensando em adultos como público-alvo, muitas vezes deixando as necessidades das crianças de lado. A empresa Iko decidiu mudar isso e projetar uma prótese especial voltada para o público infantil. A empresa ainda está finalizando os detalhes de distribuição, mas o objetivo principal é tornar a deficiência algo mais natural e não estigmatizado, como é atualmente.

 

Ar-condicionado de garrafas plásticas

Pensando em famílias que vivem em situações precárias em países em desenvolvimento, o inventor Ashis Paul decidiu desenvolver um ar condicionado econômico e barato, utilizando um sistema de refrigeração de baixo custo feito a partir de garrafas plásticas. Chamado de Eco-Cooler, esse ar condicionado consegue baixar a temperatura ambiente em até 5 graus em poucos minutos. “Invenções como essa mostram que é possível encontrar soluções práticas e baratas para resolver problemas casuais”, diz Arie Halpern. “No ano que vem, acredito que teremos ainda mais produtos inovadores do tipo.”


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *