Painel solar feito em impressora pode ser solução mais acessível

Está em fase final de testes na Austrália uma opção mais acessível de painéis solares, feita por meio de impressão. A criação da equipe de pesquisadores da Universidade de Newcastle, liderada por Paul Dastoor, é uma alternativa aos tradicionais instrumentos feitos de células de silício.

Mas a criação não tem nada a ver com a onda de impressoras em 3D. Na verdade, é usada a tecnologia de impressão convencional. A diferença é que o processo usa tintas eletrônicas impressas em folhas de plástico transparente, tornando o produto final bem leve e, portanto, mais fácil de ser transportado e instalado.

Dastoor explica que sua criação pode ser extremamente útil para locais onde aconteceram desastres. “A primeira coisa de que as pessoas precisam quando ocorre um desastre é energia. E normalmente ela é gerada por um gerador movido a diesel”, contou ele ao site australiano ABC, acrescentando que, nesses casos, além do transporte do equipamento propriamente dito, é necessário levar o combustível.

Segundo os pesquisadores, mil metros quadrados do material podem pesar em torno de 100 kg, enquanto a mesma medida de painéis com células de silício equivale ao “peso de três elefantes africanos”, como informa Dastoor ao ABC. “Essa diferença de peso é realmente importante para tornar viável o transporte a países de terceiro mundo”, completa o professor.

Outros diferenciais são a questão da velocidade da produção e o preço: centenas de quilômetros de folhas de painel solar podem ser impressos em poucos dias. Quanto ao preço, o professor espera que seus painéis sejam comercializados por cerca de sete dólares por metro quadrado, muito abaixo do valor que a Tesla vende seus tradicionais painéis (em torno de 230 dólares por metro quadrado). Os testes, entretanto, ainda não respondem as dúvidas quanto à durabilidade do produto.

A Universidade de Newcastle, localizada na região de New South Wales Hunter, é um dos três lugares do mundo que realizam testes de painéis solares impressos com tintas eletrônicas para conduzir eletricidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *