Pane nos serviços de internet põe em xeque concentração de poder das big techs

A falha no sistema de uma fornecedora de serviços em nuvem, que deixou milhares de sites em todo o mundo fora do ar, trouxe de novo à tona a dúvida quanto à concentração da arquitetura de internet nas mãos das chamadas big techso grupo seleto das gigantes da tecnologia.  

Durante quase uma hora, site de governos, de canais de mídia, empresas de varejo, telecomunicações e de vários setores ficaram inacessíveis. O site oficial da Casa Branca, o do governo britânico, do The New York Times, Financial Times, CNN, The Guardian, BBC, as plataformas Twitch, Pinterest e Redditos serviços de streaming como Spotify, HBO Max e Huluempresas como Amazon, eBay, Paypal, entre outras, não puderam operar.

Mesmo que tenha durado relativamente pouco, a perda de transações, cliques que criam receita de anunciantes, envio de documentos e agendamento de atendimentos geraram prejuízo de milhões de dólares.

Rede de distribuição de conteúdo

O problema ocorreu no sistema de uma rede de distribuição de conteúdo (ou Content DistributionNetwork – CDN, em inglês), sediada em São Francisco, a Fastly. Em um comunicado oficial, a empresa alegou uma falha técnica e afastou a hipótese de um ataque cibernético.

Essas redes, embora invisíveis para os usuários, são vitais para o funcionamento da internet. Elas foram criadas para reduzir o tempo para baixar páginas da web e arquivos maiores, como os de música e vídeo. Para isso, armazenam os dados de seus clientes em servidores espalhados pelo mundo e, ao manter o conteúdo em locais mais próximos dos usuários, distribuem a carga e aceleram o processamento. De acordo com especialistas, com elas, um usuário pode ter acesso ao conteúdo de um site hospedado em outro continente entre 200 e 500 milésimos de segundos mais rápido.

Interrupções nos serviços de internet não são tão incomuns. Mesmo empresas grandes e com equipamentos sofisticados sofrem falhas. Há alguns meses, uma pane no Google fez com que diversos serviços (Google, Gmail, Google DocsCalendarYouTube) ficassem fora do ar ou sofressem instabilidade. “Esse tipo de incidente, além dos transtornos no momento em que ocorrem, tornam evidente nossa dependência da conexão ininterrupta e rápida, mas, muito mais importante, é chamar nossa atenção para a importância e a urgência de rever o modelo de concentração de poder em poucas empresas”, alerta Arie Halpern, especialista em tecnologias disruptivas.