Recursos tecnológicos são o segredo por trás do sucesso do BBB

Em sua 22ª edição, o reality show Big Brother Brasil (BBB) é sem dúvida um dos programas de maior audiência da televisão brasileira – considerando não só a TV aberta, mas também nos canais pagos e serviço de streaming. Mesmo quem não acompanha o programa, dificilmente escapa de saber o que acontece na casa, já que os comentários se espalham por posts em diversas redes sociais, programas de TV, veículos de imprensa, memes e polêmicas.

O que poucas pessoas sabem é que para chegar aos olhos e ouvidos de milhões de brasileiros, há uma vasta estrutura tecnológica. Mais do que possibilitar o controle de aspectos que vão desde a operação das câmeras de forma remota, captação de imagens, edição, transmissão para diferentes tipos de mídia e contagem, a tecnologia é também o que permite captar e analisar as necessidades e desejos do público. É o chamado mediatech.

As reações e o comportamento das pessoas que assistem ou acompanham o Big Brother Brasil nas redes sociais geram uma infinidade de dados e informações que, sem os recursos tecnológicos, não teriam valor algum. É claro que, para viabilizar essa operação e obter as conclusões valiosas, são utilizados mais do que equipamentos. É aí que entra em cena uma equipe com centenas de profissionais especializados.

Eles atuam em squads multidisciplinares, cada um responsável por um conjunto específico de componentes. São engenheiros de software, cientista de dados, desenvolvedores DevOps e SecOps e designers. Cada esquadrão de profissionais busca otimizar, evoluir e maximizar os resultados em suas respectivas áreas. A combinação desses componentes e a orquestração bem-sucedida dos mesmos permite que o BBB seja um fenômeno também no meio digital.

Guiness World Records

Para isto, usam tecnologias emergentes, que vão desde deep learning para recomendação de conteúdo nos diferentes formatos, geração de insights, aplicações de segurança e soluções open source de forma integrada.

O programa, criado pelo holandês John de Mol, em 1999, e replicado em mais de 70 países, tem no Brasil números que impressionam. A edição 20 registrou, em uma das votações de eliminação, 1,5 bilhão de votos e entrou para o Guinness World Records, o livro dos recordes. Na atual edição, os participantes conquistaram, juntos, 28,5 milhões de seguidores nas redes sociais.

“Para quem assiste um reality show, muitas vezes os recursos tecnológicos se limitam ao uso de celulares ou relógios inteligentes. Porém, quem faz o BBB utiliza uma estrutura bastante complexa que contribui para torná-lo um fenômeno de mídia e de entretenimento”, diz Arie Halpern, especialista em tecnologias disruptivas.