Tecnologia sincroniza movimento de 1,8 mil drones e mais de 7 mil LEDs na abertura das Olimpíadas de Tóquio

Um esquadrão de nada menos do que 1.824 drones realizou uma coreografia perfeita a 175 metros de altura e encantou os milhões de pessoas que assistiram a cerimônia de abertura das Olimpíadas de Tóquio em todo o mundo

ponto alto aconteceu quase no fim da cerimônia, depois do tradicional desfile das delegações. Centenas de luzes começaram a aparecer no céu, acima do estádio olímpico. Aos poucos, foram se unindo formando o desenho tridimensional de um globo terrestre azul, contrastando com a escuridão do céu. Depois se movimentaram formando os cinco anéis entrelaçados que são o símbolo das Olimpíadas ao som de “Imagine”, de John Lennon.

Controlados por um único computador, cada um dos 1,8 mil quadricópteros, drones com quatro hélices, pesam 340 gramas, possuem quatro LEDs e são programados para voar de forma coordenada, traçando formas no céu. Quando foi criado, no fim da década de 1970, um drone precisava de 77 pessoas para ser controladojá a equipe da Olimpíada de Tóquio tinha 15 técnicos, entre programadores, pilotos e especialistas em animação. Porém, lidando com equipamentos dotados de tecnologia de ponta. 

Os drones usados no espetáculo são projetados especialmente para fins de entretenimento e dotados de luz fiel às cores e alto brilho. Ao contrário dos usados para filmar, fotografar ou transportar produtos, esses não precisam suportar câmeras ou equipamentos e, por isso, são menores e mais leves. Para que a sincronia seja perfeita, usam um sistema GPS cinemático em tempo real, ou RTK – Real-time Kinematic, que possibilita definir o posicionamento com precisão de centímetros. 

Recorde: mais de 3.000 drones na China

O primeiro passo para o show é criar umapresentação em 3D usando um programa de computador e um softwareque gera uma prévia dos movimentos, garantindo que os equipamentos não batam uns nos outros durante o voo. Assim, os drones calculam a trajetória necessária para a criação das imagens, baseados nos comandos computadorizados. Essa precisão também faz com que, ao fim do espetáculo, eles aterrissem exatamente no local de onde decolaram.

“Para muitas pessoas, pode parecer que um show de luzes com drones como esse é uma questão que envolve apenas uma boa programação, mas controlar o movimento de centenas de drones para que formem imagens nítidas é uma tarefa extremamente complexa”, ressalta Arie Halpern, especialista em tecnologias disruptivas. 

Para que o espetáculo em Tóquio acontecesse, foram necessários muitos testes. Condições meteorológicas, como vento, podem interferir e atrapalhar os movimentos.

Apesar de impressionante, a cerimônia de abertura das Olimpíadas não foi a maior já realizada. O recorde de voo simultâneo teve 3.051 drones. Aconteceu em março deste ano, para marcar a chegada à China de um novo modelo da Hyunday. Os drones também iluminaram o Super Bowl, em 2019 a posse do presidente Joe Biden, no ano passado, nos Estados Unidos.